23 Jul 2019
Switch

Análise – Yoshi’s Crafted World

Debativelmente o título deveria ser Yoshi’s Infinity War.

Yoshi’s Crafted World é o oitavo título que coloca o nosso dinossauro favorito como protagonista, seguindo o mesmo aspeto visual de Yoshi’s Wooly World (Wii U), onde a personagem é feita de lã.

Desta vez o jogo leva-nos para um estilo, que é logo identificado no nome, onde todos os cenários são feitos com cartão, papéis coloridos e outras brincadeiras feitas em arts & crafts.

O Kamek e o Baby Bowser voltam a fazer das suas e desta vez tentaram roubar a Sundream Stone, uma pedra que é capaz de tornar os sonhos de qualquer um em realidade, mas o que acaba por acontecer é as pedras espalharem-se pela ilha. É aí que o jogador, no papel de um dos Yoshis da ilha, irá tentar recupera-las antes que a duo maléfica as consiga apanhar. Embora pareça que esteja a descrever a sinopse do Avengers: Infinity War, a narrativa do jogo segue a mesma linha, e pode-se garantir que tem uma pequena reviravolta como o filme.

O jogador irá atravessar vários níveis ao longo da ilha, havendo uma boa variedade de níveis de modo a que possa sempre encontrar um desafio novo. Os níveis mais divertidos são os que tendem a mudar por completo a jogabilidade ou introduzem uma mecânica específica, pois funcionam como uma espécie de limpa palato da norma do jogo.

O jogo é relativamente curto, mas o tempo de jogo é extendido se o jogador procurar colecionar todas as flores. Para avançar para novas zonas o jogador terá de oferecer uma certa quantidade de flores a um robot de modo a que este a desbloqueie. Em cada zona poderão contar com cerca de dois a três níveis e uma gumball machine com 10 ovos, mas para os mais focados em fazer o 100% do jogo, cada nível tem um modo inverso, onde o Yoshi ajuda o seu amigo Poochie a encontrar as suas crias.

Para além disso, lembram-se do robot a quem ofereceram umas flores antes de chegarem à nova zona? O mesmo estará constantemente a pedir-vos para encontrar objetos espalhados pelos diversos níveis de modo a ganharem mais umas flores. Isto faz com que até mesmo o jogador mais distraído possa estar sempre a arranjar novas maneiras de progredir no jogo.

No que toca à jogabilidade, não há muito a falar num patamar básico. Qualquer fã da Nintendo sabe que pode encontrar neste jogo mecânicas altamente refinadas e aprimoradas ao longo dos anos. O Yoshi, para além do salto, ainda pode bater as pernas de modo a ganhar um pequeno impulso para cima ou poder ganhar um pouco de distância.

A mecânica que se destalca em Yoshi’s Crafted World é a possibilidade de interação entre diferentes planos de profundidade, o que permite a criação de puzzles mais complexos e mais segredos para o jogador descobrir e interagir. Poderão também encontrar alguns puzzles que invertem o mundo, mas por norma esses são limitados a uma pequena fração do nível.

Graficamente o jogo traz-nos o estilo de lã que começou em Kirby’s Epic Yarn, mas, como já foi mencionado, todo o estilo de arts & craft está muito bem trabalhado e bastante credível no sentido de parecer que o cenário foi todo feito à mão com cartão, folhas coloridas e cordel.

Yoshi’s Crafted World é uma excelente adição à biblioteca de qualquer jogador da Nintendo Switch que procure uma aventura mais calma e fácil de digerir. O jogo terá uma duração ideal para que o jogador possa jogar em pequenos intervalos de tempo, mas que possa levar a mesma mais a fundo a qualquer momento. O gameplay está preciso e cheio de mecânicas para que o jogador possa sempre encontrar alguma coisa para fazer.

Yoshi's Crafted World
8 / 10 Pontuação
Rating8

 

Related posts