22 Abr 2019
Switch

Análise – Carcassonne

Do tabuleiro à palma das nossas mãos, em qualquer lugar.

Carcassonne é um jogo de tabuleiro criado pelo alemão Klaus-Jürgen Wrede no ano 2000, onde o jogador vai colocando telhas de modo a criar um ambiente medieval, recolhendo pontos por colocar os seus Meeples em locais estratégicos.

É um jogo muito divertido porque requer que tenhamos de pensar na imprevisibilidade das telhas que nos possam calhar, assim como no planeamento a longo prazo para recolher mais pontos no fim do jogo.

Com isto, a Asmodee Digital juntou o Carcassonne à lista de jogos que tem estado a portar para o mundo digital.

O jogo funciona tal e qual como seria de esperar de um jogo de tabuleiro. Temos uma vista de cima e podemos navegar à volta para vermos onde podemos colocar peças, havendo um certo automatismo e limite no que podemos fazer.

Esse limite é para garantir que o jogador cumpre as regras e não comete pequenos erros, que de certa forma é o charme de jogarmos jogos de tabuleiro para se começar. Ter aquela sensação que conseguimos deixar passar uma falha que ninguém notou. Mas estas limitações irão demonstrar onde o jogador pode colocar uma telha corretamente e depois onde poderá colocar o seu Meeple, não sendo obrigado a isso.

O jogo tem um bom manual onde o jogador pode ler as regras, mas acabei por me aperceber que o jogo só tem umas quatro ou cinco mecânicas específicas a ter em conta. Tudo o resto vem da nossa cabeça e como nós planeamos cinco passos à frente.

Podemos jogar com amigos ou contra o CPU (obviamente), no entanto a dificuldade da IA é impiedosa mesmo nas dificuldades mais fáceis. Isto deve-se porque o CPU irá sempre jogar pela lógica e não tem um fator que o faça cometer decisões aleatórias e incorretas. Cheguei a testar o CPU na dificuldade máxima para tentar perceber o que mudava e senti-me a jogar contra a máquina criada para derrotar o Garry Kasparov (Deep Blue). Após a primeira telha senti-me derrotado de imediato.

No entanto não considero que esta dificuldade seja algo que vá afastar muitos jogadores, visto que é a maneira que nos mete a pensar e a tomar melhores decisões. Houve certas mecânicas que não vêm nas regras do jogo que aprendi ao ver o CPU em difícil a fazer, o que já me fez quase ganhar ao CPU em fácil.

Carcassonne não é um jogo onde iremos investir horas a fios a jogar, no entanto é uma excelente maneira de jogarmos uma partida rápida, seja sozinho ou com mais cinco amigos. O jogo traz todas as mecânicas que o original tem, e está perfeitamente adaptado para a consola. Como bónus terão acesso a certas expansões, sendo algumas microtransações para poderem expandir o vosso gameplay.

Carcassonne
8 / 10 Pontuação
Chega à era digital os jogos que usamos para nos divertirmos em grupo, seja com amigos ou família e o Carcassonne é um dos mais famosos por isso mesmo. Este porte do físico para o digital está muito bem concebido, dando exatamente todas as mecânicas que o jogo original nos traz. Só peca por não nos conseguir agarrar mais tempo e por uma inteligência artificial que pode afastar novos jogadores.
Rating8

Related posts