22 Out 2020
PS4

Análise – Predator: Hunting Grounds

Caçar ou ser caçado.

Predator: Hunting Grounds é um jogo produzido pela IllFonic e publicado pela Sony Interactive Entertainment para a PlayStation 4 e PC.

O jogo segue a linha de “monstro vs humanos”, tal como títulos anteriores da indústria, como é o caso de Evolve, Dead by Daylight e Friday the 13th, sendo, neste caso, a IllFonic a produtora deste último título.

Sendo que já tem experiência neste tipo de jogos, podemos contar que o estúdio tem um conhecimento sobre este sub-género de jogos e como torna-los apelativos para o público.

No entanto… Predator: Hunting Grounds fica muito aquém daquilo que um fã, tanto da série como do género, pode esperar.

Não me interpretem mal. Acho que este formato em que o jogo está a ser apresentado é o ideal, dado o rumo que a narrativa da própria saga leva, no entanto como videojogo, acho que há elementos que deveriam ter sido pensados melhor.

Começando pelo mais evidente, vamos falar da parte gráfica do jogo. Na PlayStation 4 o jogo tem graves problemas gráficos, nomeadamente na parte da vegetação dos cenários, sendo que tudo o que se encontra à distância acaba por parecer um jogo de geração anterior. Visualmente, o que aparece mais próximo de nós parece razoável, mas não digno de algo do estado atual da geração de videojogos em que estamos.

Relativamente a gameplay, o jogo não apresenta grandes falhas técnicas, mas sofre de algumas decisões questionáveis. Jogar com o Predador é muito porreiro, mas parece que estamos num tanque de guerra da primeira guerra mundial, sendo que há muitas funções para usar, mas com processos pouco fluidos para o fazer, o que leva a que jogar com os Soldados seja muito mais fácil e intuitivo.

Os soldados acabam por ter um objetivo principal no jogo, que não envolve o Predador, sendo que têm uma missão a cumprir, derrotando inimigos A.I., e pelo caminho têm de evitar os ataques do predador. Isto podia ter sido o ponto de venda mais interessante para o jogo e para o género em geral, se não fosse o facto de que a missão é só uma desculpa para o soldado estar na selva. As missões pouco conteúdo trazem e tornam-se muito rapidamente desinteressantes, levando a que os jogadores muitas vezes as ignorem e tentem caçar o predador. Os A.I. pouco adicionam visto que devem ter tido formação no mesmo centro que qualquer Stormtrooper da saga Star Wars, apresentando pouco ou nenhum desafio.

Os jogos acabam por ser bastante rápidos por dois motivos. Ou os soldados fazem tudo à pressa para chegar à extração, ou o predador decide atacar logo desde o início. Pode haver contratempos, sendo que se o Predador matar um jogador, ele pode ser chamado de volta num terminal específico. Se o jogador conseguir tirar a vida toda ao Predador, este pode ativar uma bomba de explode num raio enorme, e o jogador pode fugir ou desarmar a bomba. Se desarmar a bomba depois terá de ficar a proteger o corpo até chegar a nova extração, para ganhar experiência adiciona de captura.

Há muitas soluções e rotas a tomar no jogo, mas acabam por ser mais do mesmo ao fim de 5 horas de jogo. É o tempo essencial para vermos todos os finais, em todos os mapas (que não são muitos, apenas com pontos de início diferentes, o que dá a ilusão de “novo”), todos os tipos de jogadores, etc…

Uma razão que vos pode levar a querer ficar mais tempo no jogo é para desbloquear o resto dos conteúdos, que por sua vez, são pouco interessantes e gratificantes, a não ser que sejam para o predador. Muitos dos cosméticos são apenas skins e algumas pouco se notam a diferença (tipos de pele do Predador), há muito poucas armas para o soldado desbloquear e as aparências para o mesmo limitam-se a três feições diferentes.

Em suma, Predator: Hunting Grounds é um jogo que traz boas ideias para o subgénero de monster vs players, mas fica muito aquém do expectável para um jogo de 2020. Os desbloqueáveis através de loot boxes pouco interesse despertam no jogador, visto serem maioritariamente trocas de cor ou coisas pouco visíveis. O jogo ainda tem muito para evoluir e pode evoluir, mas há um rumo que o estúdio terá de decidir – Atualizações gratuitas que vão puxando jogadores ou atualizações pagas que podem afastar por completo todos os jogadores, visto que o jogo base não é suficiente para agarrar uma pessoa. O jogo fica entregue a uma questão de tempo para vermos se o estúdio tem capacidade de o por na sua melhor capacidade.

Predator: Hunting Groudns
6 / 10 Pontuação
Resumo
O jogo apresenta um conceito interessante com uma franchise muito amada, mas entrega-nos um produto com muitas falhas para agarrar o jogador a longo prazo.
Rating6

Related posts