10 Dez 2018
PS4

Análise – Shadow of the Tomb Raider

O final de uma trilogia que de certeza não marcará o fim de Lara Croft mas sim o fim de três capítulos que trouxeram Tomb Raider para o topo de video-jogos desta geração. Conheçam a nossa opinião da mais recente aventura de Lara Croft em Shadow of the Tomb Raider.

Lara Croft está de regresso para fechar uma trilogia que nos conquistou desde o primeiro jogo em 2013. Tomb Raider é uma das sagas mais históricas dos vídeo-jogos e conhecida por todos nós mas nunca o passado de Lara Croft foi tão bem contado como nesta trilogia onde vemos uma jovem Lara a descobrir por si própria o seu potencial e quem se iria tornar um dia.

O grande inimigo é a Trinity, uma força especial que está constantemente à procura de uma forma de controlar o mundo através de poderosos artefactos que estão debaixo da mira de Lara Croft.

Shadow Of The TombRaider

Em Shadow of the Tomb Raider assistimos ao culminar de várias experiências que Lara Croft sofreu nos últimos anos e que ultimamente terminam na sua passagem a Tomb Raider. As escolhas difíceis do passado começaram a tornar-se óbvias e Lara faz o que for preciso para impedir os maus da fita de conseguirem o que querem, custe o que custar.

É através de uma narrativa bem preparada que Eidos-Montréal nos conta este percurso, com altos e baixos e uma acção sempre frenética cheias de explosões, túmulos, todo o tipo de terrenos e condições climatéricas – uma aventura sem parar.

Shadow of the Tomb Raider é mais emocional que os anteriores por afectar directamente o passado de Lara Croft e todo o seu crescimento. Sem qualquer descanso, a nossa aventura arranca logo no final de Rise of the Tomb Raider.

Shadow Of The TombRaider

Estamos em Yucatan com Jonah, o fiel companheiro de Lara que está sempre pronto para a apanhar quando esta escorrega (quem não estaria, right?). Uma catástrofe começa quando Lara Croft tenta fazer o correcto mas acaba por fazer o oposto, através de uma acção iniciou uma contagem para o fim do mundo, caso não consiga repor tudo como estava.

Os desafios são maiores agora e a acção furtiva saltou em maior destaque em Shadow of the Tomb Raider, sendo menos os combates com armas como nos anteriores. A jogabilidade continua semelhante aos anteriores, com a forte inspiração na série Uncharted a marcar presença pela forma como nos movimentamos e lutamos mas com um sentimento diferente de quando jogamos com Nathan Drake. Ninguém quer ver a Lara Croft nem com um arranhão na cara e acreditem, ela passa por tudo e mais alguma coisa.

Shadow Of The TombRaider

Assim que pegamos no comando e começamos a jogar, percebemos que Lara já não é a mesma que era há dois jogos atrás. O tutorial é curto e sentimos a confiança de Lara Croft nas nossas mãos, as ferramentas já lhe são familiares e a aventura já faz parte do dia a dia, fica claro que já não temos que aprender tudo do zero.

Como é habitual em jogos mais recentes, o elemento RPG continua presente e com ele uma árvore de skills que é um pouco mais confusa que a dos anteriores. Continuamos a ter que reunir XP para desbloquear novas capacidades e agora as nossas capacidades estão divididas em categorias que vão de encontro ao tipo de jogo que querem fazer: Seeker (ambiente e recursos), Scavenger (stealth) e Warrior (tiro pá frente). Apesar de ser interessante podemos adaptar o nosso estilo de jogo através das skills que desbloqueamos, a representação de árvore em si é que não é muito clara e deixa-nos perdidos quando tentamos escolher qual a próxima a desbloquear.

A jogabilidade está quase igual à do jogo anterior mas ligeiramente mais fluída, a acção decorre num formato semelhante mas as sequências aquáticas estão mais tensas e por vários momentos vão ranger os dentes para tentar salvar Lara Croft de ficar presa entre dois calhaus ou por ser devorada por um grupo de piranhas.

Shadow Of The TombRaider

Algo que vos pode frustrar e que a mim frustrou bastante, foram alguns saltos que parecem fáceis mas Lara falha sucessivamente. Por mais que uma vez tive que parar o comando e respirar fundo porque um salto que parecia fácil, ela falhava sempre a segurar-se. Nos anteriores não senti isto mas em Shadow of the Tomb Raider chega a tornar-se frustrante a forma como quebram a acção.

Por outro lado, o combate foi melhorado e mais focado no ataque furtivo. Raramente puxei da metralhadora, só quando não tive mesmo outra maneira. De forma geral, o jogo foi desenhado para as sequências furtivas com uma nova mecânica a ser incluída e que eu adorei: podemos mascarar Lara Croft com poças de lama e em modo Predador atacar os nossos inimigos sem que eles saibam o que os agarrou.

Dificilmente vão querer jogar de outra forma, é muito mais divertido andar a limpar as várias zonas desta forma do que entrar de armas em riste.

A exploração é praticamente igual ao que já conhecíamos também, com vastas áreas para explorar com túmulos para explorar, animais para caçar, recursos para recolher e side-quests que são atribuídas por outros personagens que vagueiam pelo jogo.

Visualmente continua espectacular e super divertido de jogar e é sem dúvida mais uma obra prima nesta fantástica trilogia que talvez não tenha o lançamento que merece devido à série de grandes jogos que estão a sair neste final de ano.

Ficamos aguardar pela próxima aventura de Lara mas da nossa parte podem confiar: Shadow of the Tomb Raider é obrigatório para todos os fãs de Tomb Raider ou de jogos do género.

8 / 10 Pontuação
Resumo
Ficamos aguardar pela próxima aventura de Lara mas da nossa parte podem confiar: Shadow of the Tomb Raider é obrigatório para todos os fãs de Tomb Raider ou de jogos do género.
Rating8

Também te pode interessar