26 Jun 2019
PS4

Análise – Blood & Truth

Dos criadores da curta metragem “London Heist”, chega-nos o “filme” completo.

Se existem mini jogos que geraram o comentário “Quem me dera que transformassem isto num jogo completo”, London Heist é provavelmente o que vem logo à cabeça da maioria (pelo menos das que tiveram o prazer de o jogar). Este pequeno jogo que vinha incluído no VR Worlds conquistou o público por ser o primeiro contacto com um jogo do género no Playstation VR, e pelas suas fantásticas sequências de ação. A London Studios, responsáveis pelo VR Worlds, lá nos fizeram a vontade e trouxeram-nos Blood & Truth para a Playstation 4, e funciona como um sucessor espiritual de London Heist.

blood and truth screen (2)
Todas as explosões são gratificantes.

Neste jogo assumimos o papel de Ryan Marks, ex-soldado das forças especiais que vê o seu negócio de família ir parar às mãos de um gangster londrino. Ryan e o que resta da sua família montam uma operação para recuperar o que é seu por direito, deixando para Ryan todas as tarefas que façam uso das habilidades que desenvolveu na sua carreira militar. E é disto que se trata, uma experiência de realidade virtual, focada em tiros.

São precisos dos controladores move para jogar este título. Cada um deles controla uma das mãos do jogador que não servem apenas para disparar uma arma. Blood & Truth é como se fosse um longo filme de espionagem/ação. Existem secções onde apenas existem diálogos (por vezes longos demais), e outras onde podemos executar uma série de ações que não envolvem armas. Por exemplo, conseguimos abrir gavetas, pegar em objetos, puxar alavancas, etc… e o jogo faz um ótimo trabalho em inserir pequenos elementos que justificam essas ações, como por exemplo, abrir portas com utensílios e causar curtos circuitos para o mesmo fim. Diversas coisas que podemos fazer nestas situações, como tocar fusíveis e tirar parafusos. São pequenas ações mas que funcionam muito bem e acabam por dar um toque diferente ao jogo.

blood and truth screen (2)
Um dos vilões do jogo.

Existem inúmera interações com os cenários, como por exemplo, controlar vidros, rádio e abrir portas dos carros. Em algumas situações somos obrigados a subir escadas e outras estruturas e rastejar por ventilações. E mais uma vez, nestes momentos os controlos estão ponto. Tenho que dar destaque às seções em que temos de escalar ou estar suspensos. O jogo faz um ótimo trabalho em causar vertigens, e por vezes até tive de tirar o VR porque estava demasiado envolvido no jogo, e as minhas vertigens tomaram conta de mim.

blood and truth screen (4)
Existem alguns puzzles, simples mas interessantes.

Mas vamos falar do que realmente interessa: as seções de tiros. A movimentação do jogo não é livre, e apenas podemos ir para sítios assinalados. Para isto, basta apontar para eles e pressionar um botão. Podemos também andar para os lados e mudar de cobertura. Quando o combate está ativo, não podemos avançar se estivermos numa situação de muito perigo. Em algumas seções em que Ryan não pode parar, aqui apenas controlamos as armas, e a movimentação é automática. O manuseamento das armas é sem dúvida o ponto forte do jogo. Começamos por ter duas armas pequenas, que podem ser colocadas nos coldres, pois por vezes precisamos de ter as mãos livres para executar outras ações, ou para atirar granadas. Essas granadas estão espalhadas pelas zonas de combate, ou podemos atirar de volta as os inimigos nos mandam. Pegar nas armas parece natural, e os sensores funcionam na perfeição. Não esperem por miras no ecrã ou assistências do género, pois em Blood & Truth têm que se comportar como se tivessem uma arma à frente, e dar por vezes com um move em frente à cara e um olho fechado para conseguir olhar pela mira. No caso das SMGs, assault riffles e carabinas (que guardamos nos coldres que temos às costas), é recomendável pegar nelas com as duas mãos por causa do recoil.

blood and truth screen (1)
Clássicas seções em veículos. Experimentem aumentar o som do rádio.

Obviamente que temos que recarregar a arma, e é outra mecânica interessante. Se tivermos apenas uma arma equipada, pegamos no carregador que temos ao peito com uma mão, e inserirmos na arma com a outra. Se formos à desperado e ter uma arma em cada mão, temos que pegar nos carregadores com a palma da mão enquanto seguramos ao mesmo tempo numa arma, e colocamos na outra.  Cheguei a dar por mim, em momentos de grande tensão, todo atrapalhado sem saber se havia de trocar de armas, ou carregar as que tinha nas mãos. É engraçado pois temos que colocar uma arma no coldre para tirar outra, e dá para termos uma ideia do que sofrem os heróis dos filmes de ação. Algumas armas têm tiro secundário, e outras “manhas” para disparar mais rápido, como por exemplo o revolver. No caso da pump action shotgun, temos mesmo de carregar o cartucho para conseguir disparar novamente.

Existem vários colecionáveis que podemos apanhar ao longo do jogo. Existem sempre alvos que aparecem em pontos específicos do jogo, vapes em todos os níveis e pequenas estatuetas que são referências dos jogos presentes em VR Worlds. Estes colecionáveis vão servir para ganhar estrelas que podem ser trocadas por attachments para as armas e novas pinturas.

blood and truth screen (5)
Uma ótima forma de ultrapassarem o medo de alturas.

A história do jogo é cliché dos filmes de ação/espionagem (até a banda sonora encaixa nesse modelo), o que é bom, pois consegue proporcionar excelentes momentos de ação, que ainda causam mais impacto por serem em realidade virtual. Cada explosão é um shot de adrenalina que tomamos, e fazem-nos esquecer que 30 minutos antes estávamos aborrecidos com uma cutscene carregada de muita conversa e pouca ação. É um jogo que em termos de pacing tem os seus altos e baixos, mas que acaba por recompensar o jogador nos momentos de maior tensão. Se são fãs do género e têm curiosidade de jogar em FPS de qualidade no periférico, Blood & Truth não irá desiludir.

Blood & Truth
9 / 10 Pontuação
Um cliché no género ação/espionagem, mas que consegue proporcionar dos momentos mais épicos do Playstation VR. Um jogo altamente recomendado aos fãs do género.
Rating9

Related posts