17 Jul 2019
Análises

Análise: Donkey Kong Country Returns 3D

A aventura de Donkey Kong na Wii fez a sua transição para o formato portátil da 3DS. Fiquem a saber se vale a pena regressar ou experimentar pela primeira vez um dos melhores jogos de plataformas da Wii.

Donkey Kong Country Returns 3D chega à Nintendo 3DS vindo diretamente da versão Wii lançada anteriormente em 2010. É exactamente o mesmo jogo extenso, colorido e desafiante da Wii desta vez com a adaptação a cargo da Monster Games.
O jogo original tinha sido realizado pela Retro Studios, inspirada na trilogia criada pela Rare na Super Nintendo e obteve sucesso pela sua apresentação artística, jogabilidade quase perfeita e o enorme desafio que proporcionava aos jogadores.

Donkey Kong e Diddy Kong embarcam nesta aventura de plataformas com visão lateral a 2D para libertar a ilha das criaturas mascaradas da tribo Tiki Tak e tentar recuperar as bananas roubadas por elas com a ajuda dos animais que hipnotizaram.

[singlepic id=3116 w=400 h=240 float=center]

A escolha feita pela Nintendo em lançar novamente o mesmo jogo numa plataforma diferente foi acertada, adianto já que é um jogo recomendado mesmo para quem o jogou á cerca de 3 anos atrás. A adaptação foi feita brilhantemente e foi ainda incluído um novo modo de jogo denominado de “New Mode” que o torna um pouco mais fácil e acessível.
Lembro-me perfeitamente da dificuldade que tive ao jogar o original na Wii, os momentos de frustração a perder sempre no mesmo local, os saltos que pareciam impossíveis de realizar, a facilidade com que ficava sem vidas para continuar…
Os puristas podem ficar descansados pois toda essa experiência está presente no modo de jogo clássico, tudo permanece como no passado e deveria ser assim que todos o deviam experimentar.

[singlepic id=3117 w=400 h=480 float=center]

Com o “New Mode” a produtora pretende facilitar a experiência aos jogadores com várias ajudas, desde o aumento de pontos de dano que podemos sofrer (passamos a ter 3 corações de energia em vez de 2), ajudas subtis espalhadas pelos níveis e a loja de Kranky Kong que está disponível nos vários mundos de jogo possibilita a aquisição de vários items que ajudam o jogador a preços mais acessíveis que no modo de jogo clássico.

[singlepic id=3120 w=320 h=240 float=left]O controlo das personagens foi bem adaptado á consola, os controlos por gestos da versão Wii foram descartados e podemos controlar as personagens tanto pelo D-Pad como pelo controlador analógico da consola. Custou-me um pouco a habituação ao controlo através do analógico mas após alguns minutos passou a ser o meu método de controlo favorito.
A componente sonora continua boa como no original, os efeitos de som e as carismáticas melodias do jogo que facilmente ficam memorizadas na cabeça do jogador são outro dos pontos em destaque.

A minha curiosidade inicial quando anunciaram o jogo para a 3DS era ver como estaria o aspecto visual nesta adaptação a uma consola tecnicamente algo inferior á Wii. Tal como já anunciado anteriormente o jogo perdeu a suavidade dos 60 fps para metade mas conseguiu manter a mesma jogabilidade que tinha, em pouco tempo esse pormenor deixou de ser importante nas minhas sessões de jogo. Apesar de pontualmente se notarem algumas quebras de frames elas nunca aconteceram em momentos importantes nem prejudicaram em nada a minha experiência com o jogo.
Alguns outros detalhes gráficos também foram sacrificados pois apesar de ser um jogo de plataformas a 2d todo o cenário e objectos estão renderizados em 3D.

[singlepic id=3118 w=400 h=240 float=center]

Uma das melhores características deste jogo é proporcionada directamente pela Nintendo 3DS: a implementação do efeito 3D. Aposto que se o jogador não soubesse que estava a jogar um port de um jogo da Wii, quase que podia acreditar que foi feito de raiz para a 3DS.
Sendo um jogo de plataformas de visão lateral originalmente concebido com cenários a 3D que simulavam a profundidade das plataformas o efeito destaca-se ainda mais e aqueles momentos em que a nossa personagem é catapultada para um cenário mais distante ainda se tornaram melhores.
Se o artigo que fiz anteriormente sobre o efeito 3D na 3DS fosse publicado após o lançamento deste jogo garanto que Donkey Kong Country Returns 3D seria mencionado lá.

[singlepic id=3119 w=400 h=240 float=center]

O jogo também dispõe de modo cooperativo que infelizmente é apenas local e também necessita que ambos os jogadores possuam uma cópia do jogo. Cada um controlará uma das personagens tornando a experiência mais divertida mas de certo modo mais desafiante até.

Quem ainda tem a experiência fresca do jogo original não terá aqui motivos fortes para completá-lo novamente, é na sua essência apenas uma versão portátil do mesmo jogo da Wii e as pequenas adições que lhe meteram, incluindo 8 novos níveis que poderão ser acedidos após o terminarem poderão não ser suficientes para justificar uma nova aquisição.

A consola portátil da Nintendo continua a aumentar a lista de jogos obrigatórios a possuir e este é mais um a entrar diretamente para ela. Estamos perante um jogo que nos vai oferecer muitas horas de divertimento, quer seja simplesmente a tentar chegar ao fim ou a tentar encontrar todos os items escondidos, mesmo naqueles momentos de frustração em que o achamos impossível ele continua a ser viciante.
O brilhante Design dos níveis, com inúmeros segredos para descobrir ainda hoje se mantém fresco, bastante desafiante e preciso, não perde em nada para a trilogia original da Super Nintendo criada pela fantástica Rare e continua a ser tão recomendado como antes.

Related posts