15 Ago 2018
Opinião

A comunidade estraga?

O que uma imagem na internet me faz pensar!

Enquanto navegava num dos meus sites favoritos para procrastinar, deparei-me com a seguinte imagem:

aA1x93L_460s

E realmente fiquei a pensar… Será que uma comunidade é suficiente para estragar um jogo? É uma opção válida para criar um ponto negativo num jogo, independentemente de tudo o resto?

Bom, neste caso, a imagem refere-se ao League of Legends, sendo um dos jogos mais conhecidos da atualidade devido à quantidade que pessoas que o joga diariamente, mas também pela comunidade em si. E é desse jogo mesmo que vou falar.

A minha experiência, como devem estar à espera, não é das melhores, com o League of Legends. O jogo finalmente saiu para Mac, e eu cedi à minha curiosidade e dei-lhe uma oportunidade. Do que me recordo, comecei com uma introdução ao jogo, para aprender o funcionamento base do mesmo e pareceu-me tudo muito linear e fácil de entender… pelo menos assim pensei.

De modo a não querer estragar o trabalho dos outros, decidi então fazer o meu primeiro jogo num modo casual, unranked, para ver se percebi bem as mecânicas do jogo. Escolhi a personagem Annie, pois tudo o resto não me parecia interessante, embora houvesse uma boa variedade de personagens.

Antes de sequer começar o jogo, já tinha os meus colegas de equipa indignados comigo, pois aparentemente escolhi mal a lane. Frisando uma frase dita por um colega meu, que joga League of Legends numa base diária, “O jogo tem uma maneira muito específica de se jogar. Cada personagem tem uma maneira demasiado específica de se jogar e se não for assim a tua equipa vai implicar contigo”.

Então… Estas regras são impostas pela comunidade? Percebo perfeitamente que haja uma maneira específica de se jogar com determinadas personagens. Qualquer pessoa que jogue um RPG online percebe a sinergia entre Tanks, Healers e DPSers. Em alguns casos, como no de World of Warcraft, há bosses que precisavam de um Tank de uma raça específica, como por exemplo um Druida, para um boss que tivesse muito burst melee damage, mas eram casos únicos e que acabavam por se tornarem obsoletos quando a guild tivesse melhor equipamento em geral. Mas no League of Legends, se eu escolho a personagem X, significa que terei de ir sempre para aquele sítios, fazer as mesmas piruetas, etc…?Artigo-Comunidade1

Mas calma lá! Por esta linha de pensamento eu deveria estar a criticar o jogo por ser linear, mas não é o caso. Consideramos um jogo linear quando as nossas opções não são muitas e estamos limitados a um level design fraco, coisa que não me parece ser o caso de jogos como League of Legends.

Proponho-vos um exercício mental: Um estúdio qualquer lança um jogo novo que vos dá toda a liberdade de explorarem um mundo gigante. Mal entram no jogo têm a comunidade a ditar como vocês devem jogar porque “é a maneira mais lógica”.

A minha questão aqui é se uma comunidade pode ser um fator de avaliação num jogo. Quando avaliamos um jogo temos em conta vários fatores, como por exemplo, a jogabilidade, os gráficos, o audio e muito mais. Qualquer um destes fatores pode estragar um jogo e a experiência que ele pretende transmitir, por isso, pegando nesta maneira de pensar, a comunidade pode ser um fator negativo na avaliação de um jogo, a partir do momento em que a mesma pode retirar algo da experiência.

Mas poderá estragar por completo um jogo? Creio que não. Uma comunidade pode estragar a experiência do jogador, mas se o único problema for esse e houver maneiras de controlar a mesma, seja com mutes ou maneiras de não ter de lidar com a mesma, o resto do jogo pode aguentar-se pelas suas outras qualidades.

Obviamente que o League of Legends não é o único jogo com problemas de comunidade, mas é o exemplo mais comum em todas as situações relativas a uma comunidade problemática. Qualquer jogo online terá os seus problemas. Uns mais que os outros. A comunidade de Counter Striker fica de cabelos em pé sempre que vê um russo, a de Call of Duty e Halo já fez sexo com todas as mães do mundo inteiro, a de Minecraft sofre com os griefers e no World of Warcraft são capazes de se encontrarem encostados a uma parede por causa do elitismo entre guilds. Tudo o que tenha uma vertente online pode, ou não, sofrer deste problema.

Portanto, em suma, sim. Uma comunidade pode ser um fator negativo de avaliação para um jogo. Se é algo instantâneo? Não. As comunidades moldam-se e mudam com os tempos, por isso pode não ser má de partida, mas pode evoluir para isso. Se não gostam de um jogo hoje porque a comunidade vos faz sentir mal, pode ser que tenham sorte num futuro… ou não. É uma inconstante que terão de suportar caso queiram muito jogar o jogo. Mas não ignorem o poder e magia que uma comunidade pode trazer a um jogo, ou até mesmo a indústria, pois é graças a comunidades fortes que temos torneios durante o ano inteiro, sendo os que mais enchem pavilhões algumas comunidades aqui mencionadas.

Vocês acham que os jogos deviam ser avaliados por este fator?

Também te pode interessar