02 Set 2018
PS Vita

Análise: Street Fighter X Tekken

Com já alguns meses passados desde a sua saída para as consolas caseiras, Street Fighter X Tekken chega finalmente à PSVita e com vários extras para quem quiser a experiência portátil, mas será que valeu a pena esperar?

Para quem ainda não conhece, Street Fighter X Tekken é um crossover criado pela Capcom em conjunto com a Namco Bandai para juntar os dois universos de Street Fighter e Tekken. Para os fãs de jogos de luta, vão reconhecer que a Capcom adoptou mais o estilo de Street Fighter e adicionou os lutadores de Tekken a este mesmo estilo, utilizando o motor de Street Fighter 4, a batalha decorre no seu estilo 2.5D o que cria bastante diferença para os lutadores de Tekken que utilizam níveis com liberdade de controlo a 360º para o movimento. Como a maioria dos crossovers, o jogador traz para campo um companheiro adicional, este sistema de luta apresenta um estilo mais associado com Tekken Tag tournament, onde o fim da vida de um dos lutadores é o suficiente para perder um round e tem de haver uma boa coordenação entre ambos para criar as melhores combos.

[singlepic id=1349 w=610 h=347 float=center]

Para combate, existe um sistema de Gems que permite o lutador ganhar diversos bónus em combate ou até ganhar certas vantagens sobre o adversário mas com um custo que pode ser na perda de um atributo como força ou velocidade ou até na perda de uma certa quantidade de Super Meter. É um sistema que trouxe bastantes complicações, ora pelo número bastante elevado de Gems que o jogo traz e pode se tornar confusa a sua aprendizagem e que contém algumas só acessíveis a partir da sua compra por DLC que pode causar desvantagem. A sua personalização pode trazer vantagens desde bloquear automaticamente, até tornar todos os movimentos mais fáceis de realizar, o que é uma ajuda para novatos mas retira alguma da habilidade que os jogos de luta trazem para a mesa.

A história nem sempre é um ponto forte de jogos de luta e principalmente em crossovers onde existem tantas personagens que torna a ligação entre todas elas mais complicadas. Felizmente, neste ponto, ganhou o meu voto, onde se nota que houve um esforço em criar uma certa história com sequências de vídeo a contar o inicio, meio e fim da aventura do par que escolhemos. A fusão dos universos de Street Fighter e Tekken é criada em volta de uma caixa de nome Pandora que foi vista a aterrar no Pólo Sul e que com rumores a aparecer sobre as suas capacidades, as duas organizações, Mishima Zaibatsu e Shandaloo querem ganhar o seu controle. Ao escolher um par de personagens feito pelo jogo, somos introduzidos ao seu motivo por se juntarem e o seu objectivo pela busca de Pandora, onde iniciamos combate contra diversos lutadores até sermos interrompidos pelos nossos rivais, é um sistema básico mas permite ver algumas rivalidades entre os dois universos que muitos fãs desejavam ver há já vários anos. Após a vitória contra os nossos rivais e o sempre chato boss final, chegamos a ver Pandora e somos recompensados com um vídeo final a terminar os eventos, onde pode ser uma situação séria de um final conclusivo ou então uma história bastante maluca e fora do normal que vai trazer algumas gargalhadas pela parvoíce da situação.

[singlepic id=1350 w=610 h=347 float=center]

A Pandora não só é um elemento de história mas também pertence ao combate, onde é possível sacrificar o teu parceiro para teres um bónus de força durante um curto tempo mas se não venceres antes de o bónus terminar, quem perde a ronda serás tu, onde cria um sistema de apostar em grande para ganhar em grande. Outras mecânicas com o teu parceiro são as Cross Arts em que podes ou infligir o golpe final de cada um dos teus lutadores em simultâneo para dar o maior dano possível ou então chamar o teu colega para dar porrada num 2 contra 1 por um tempo limitado mas também podes sofrer dano a dobrar dessa maneira.

Mas o que é que a PSVita traz além do jogo que já existia nas consolas? Em primeiro lugar, ter já todo o jogo e poder jogá-lo numa portátil em si já é algo que merece respeito, os modelos das personagens são bem representados, não tão bem constituídos como as das consolas mas apresenta grandes visuais. Os níveis continuam com o seu toque de originalidade e diversão mesmo que com algumas animações limitadas. O som é fantástico e só reparei em alguns problemas foi a visualizar vídeos, em que notava-se alguns arrastamentos da imagem. As 12 personagens de DLC já estão incluídos e são :Alisa, Brian, Christie,Jack-X, Lars e Lei do lado Tekken e para Street Fighter temos Blanka, Sakura, Cody, Guy, Dudley e Elena. Os convidados especiais marcam presença com Pac-Man, Toro, Kuro, Cole e o “especial” Mega Man que ninguém esperava.

[singlepic id=1351 w=610 h=347 float=center]

Uma das grandes funcionalidades da PSVita é o Cross-Play em que podes jogar entre jogadores com PS3 que avisa pelo seu símbolo de controlador Dualschock. Para os que têm receio da desvantagem de controlos entre a portátil com um controlador regular, podem ficar descansados que os controlos continuam personalizáveis e com a adição de controlos touch, que permitem até ter mais botões que a própria consola, com 4 no ecrã de frente e 2 no de trás, infelizmente não é possível escolher o seu posicionamento mas só o seu tamanho, o que pode causar alguma dificuldade quando é preciso de um botão extra. As funções touch também são usadas para um modo mais fácil, se assim o jogador quiser em que todo o tipo de ataques são realizados ao pressionar o ecrã mas só é aconselhado para quem não tiver qualquer experiência em combate e mesmo assim tem o modo de tutorial para aprender os movimentos. Muita da navegação dos menus pode ser feita com os controlos regulares mas algumas secções são forçadas a usar touch, que aparenta serem forçadas e não necessárias.

O online está em boa forma, com modos de luta regular 1 vs 1 ou então até 4 jogadores, com cada a controlar o seu personagem e a trazer uma sensação única de parceria quando é o momento certo de fazer o tag. Para um meio mais de festa, existem os já famosos lobbys onde o vencedor fica sempre pronto para enfrentar novos adversários e quem espera pode assistir e aprender algo de novo. Para os que gostam de estar sempre a lutar contra outros, o online é fluído e só apresenta alguns problemas nas introduções que são lentas para possivelmente se sincronizar mas em combate, não verifiquei problemas. Para o coleccionador, existem diversos títulos a descobrir e até é possível ganhar estatuetas com os diversos adversários que vences e as surpresas que podes obter a partir do Near.

[singlepic id=1348 w=610 h=347 float=center]

Em resumo, Street Fighter X Tekken, continua a ser um bom jogo. As suas boas intenções de trazer um público mais casual criaram um sistema de Gems que tem algumas falhas mas que pode trazer uma satisfação mais rápida com vitórias mais fáceis. Com um leque de 55 personagens logo disponíveis e com tudo o que vem nas consolas, esta versão da PSVita é aconselhada a todos os fãs de jogos de luta ou até mesmo iniciados, sendo um dos mais acessíveis para começar e aprender os básicos com bastantes ajudas. Fica assim mais um grande título para a colecção da PSVita que está a precisar.

Também te pode interessar