O motivo que me levou a escrever sobre este tópico foi saber qual a vossa opinião relativamente ao mercado dos videojogos para computador.

Hoje em dia são poucos os estúdios que dedicam a 100% dos seus recursos à plataforma PC e preferem, de longe, criar exclusivos para as consolas. Porquê essa preferência da parte dos Estúdios?

Pois bem, o meu objectivo com este artigo é responder a todas as perguntas à volta destes tópicos.

Vou começar por falar da minha relação com o PC, que nem sempre foi a minha plataforma preferida, mas sim a primeira Playstation e a segunda. Mas com o passar dos anos joguei exclusivos do PC que não se arranjam de qualquer maneira na Playstation, e sobretudo jogos que tinham a possibilidade de jogar Online. Que jogos foram esses? World of Warcraft, Day of Defeat: Source e os primeiros Call of Duty’s… entre outros.

Devo dizer que passei muitos anos a jogar estes jogos. Com o passar do tempo fui largando esses exclusivos do PC e procurei outros de qualidade semelhante, mas, verdade seja dita, só via jogos a serem lançados para as consolas e nada para o PC.

Depois de ler alguns comunicados feitos pela parte dos estúdios, cheguei a conclusão que o PC estava a ser deixado de parte por muitos estúdios pelo excesso de pirataria que existe nesta plataforma. Pirataria esta que existe em todas as plataformas, mas a facilidade com que se “encontra” no PC, comparando às outras, é enorme. Enquanto que nas consolas se tem que abdicar de certas “funcionalidades” para se poder jogar pirateado, como por exemplo os modos Online, no PC não tens de abdicar de praticamente nada.

[youtube id=”eOsDkhLwPj4″ width=”620″ height=”360″]

Agora pergunto-me: Qual é a necessidade das pessoas praticarem a pirataria?

Existe muitas razões que me passam pela cabeça:

– O preço exagerado dos jogos em Portugal?

– Acharem um simples desperdício de dinheiro em certos jogos?

– Ganância das pessoas?

A verdade é que os estúdios precisam desse dinheiro para poderem pagar os salários a todos os trabalhadores e continuarem a apostar em projectos novos e inovadores. Mesmo que a maioria do dinheiro não vá para os produtores e sim para as publicadoras (ex: Activision Blizzard, Eletronic Arts, Ubisoft, Capcom…) eles continuam com necessidade de receber uma certa quantia. Se depois de três anos a produzirem um jogo, só receberem uma quantidade mínima de lucro, podem ver-se obrigados a fazerem despedimentos em massa ou, em casos extremos, fechar o estúdio.

[youtube id=”arKpdxjHamI” width=”620″ height=”360″]

Penso que há muitas pessoas que não são capazes de gastarem cinquenta a sessenta euros num jogo que, por vezes, nem dura mais de um dia. Isso realmente é um enorme desperdício e os estúdios têm que ter a noção que se querem receber bom lucro dos jogos precisam de fazer equivaler o preço à sua qualidade.

Há algo que os estúdios estão a fazer com mais frequência, e que no geral desagrada aos jogadores, denominada de DLC’s. Uma pessoa paga o custo do jogo, independentemente quanto seja e mais tarde o estúdio lança uma certa quantidade de DLC’s (Downloadable content) que poderão adicionar personagens, uma nova história para o single player, mapas… etc, e que sem eles o teu jogo está incompleto, independentemente do preço que tenhas pago inicialmente pelo jogo.

As pessoas têm sempre a hipótese de comprar em sites no estrangeiro (Amazon, Game, Shopto…etc) onde o preço fica muito mais acessível e só terão de esperar uns dias para chegar a vossa casa.

Felizmente ainda há Estúdios que se dedicam 100% à plataforma PC.

– A Blizzard criou o MMORPG mais jogado dentro do seu género durante anos e anos, e que continua ainda hoje vivo. Também criou o RTS mais esperado, Starcraft II, e por fim, mas não menos importante, o RPG pelo qual os fãs esperaram 10 anos – Diablo III. Tudo jogos com grande sucesso no PC, mas que, infelizmente, tiveram que ser todos online para procurar combater a pirataria que dizimaria os lucros destes jogos

– A Valve que é responsável pela existência da plataforma Steam e conhecida por inovar e suportar os seus jogos com actualizações, mesmo anos depois de terem sido lançados. Criou o Counter-Strike, Day of Defeat, Half-life, Team Fortress 2, Left 4 Dead, Dota 2 e Portal. Todos esses títulos tiveram um enorme sucesso no PC e ainda hoje estão a ser suportados pela Valve.

[youtube id=”edYCtaNueQY” width=”620″ height=”360″]

– A Riot Games, a produtora do jogo League of Legends, é outro dos muitos estúdios que suportam o PC diariamente, depois de muitos anos do seu lançamento.

Para concluir, pessoalmente acho que, apesar da enorme pirataria de que o PC é alvo, existem estúdios que conseguem ultrapassar isso com bons jogos online e métodos free-to-play com coisas opcionais a pagar e que faz com que o PC Gaming continue bastante vivo.