04 Out 2019
PC e Mac

Mark of the Ninja

Desenvolvido pela Klei EntertainmentMark of the Ninja vem trazer aos jogadores aquilo de que o estúdio já nos vem habituando com os dois títulos de Shank, mostrando também que aprendeu com os erros e apresentou um título de qualidade acima da média. Existindo sempre alguns pontos que precisavam um pouco mais de polimento, mas sem estragar a verdadeira essência de diversão do jogo.

Nós somos um ninja que possui A Marca, uma tatuagem cuja tinta nós apura os sentidos, mas que também provocam as suas consequências  Acordado durante uma invasão ao seu templo, o nosso ninja é logo destacado para salvar o seu mestre, das garras dos soldados invasores. Depois desse acontecimento a história do jogo gira em torno de vingança, da organização dos soldados  e descoberta dos poderes e segredos que transportam aquela tatuagem.

[singlepic id=1277 w=610 h=343 float=]

Toda a ação está envolvida em cenas de stealth e assassínios se assim o quisermos, também podemos concluir todos os objetivos com base em técnicas de stealth sem matar qualquer inimigo, mas é claro que a diversão aqui é mais elevada quando vemos as animações de sangue a saltar do corpo do nosso oponente. Para alem dos guardas, teremos diversos engenhos de deteção espalhados pelas diversas salas, e até os cães não foram deixados de lado, estes possuem uma dificuldade extra visto que têm um grande alcance olfativo, o que nos irá dificultar muito mais em algumas partes dos cenários.

Para contrariar tudo isso o nosso ninja terá várias formas de distrai-los e várias técnicas para enganar os diversos dispositivos de deteção. A sombra será o principal elemento que nos irá ajudar a ultrapassar os diversos obstáculos que nos irão aparecendo pela frente. Também os dardos e as bombinhas de som ou fumo são um excelente utensílio para o trabalho. As ventilações também são bastante eficazes para fazer ataques surpresa e percorrer caminhos sem sermos facilmente apanhados. Tudo isto complementado com a agilidade do nosso ninja, que trepa paredes, pendura-se em postes e até anda pelos tetos, um autentico homem aranha sem piedade.

[singlepic id=1278 w=610 h=343 float=]

O formato 2D juntamente com o estilo de desenho animado que os estúdio já nos habituou tornam esta experiência muito agradável ao nível visual, aplicado ao trabalho de efeito luz escuridão em que o jogo se baseia, encaixa-se perfeitamente com o tema e diversão que o jogo nos proporciona. Uma das funções que o jogo utiliza e também estão bastante boas é o som, tendo em conta que também somos detetados por fazer barulho, estando estes definidos para terem o seu grau de propagação, que podem ser benéficos ou prejudiciais para a nossa missão.

Os controlos são de fácil aprendizagem e não envolvem grandes momentos de rapidez, os mais complicado será resolver alguns dos enigmas que nos aparecem, visto que em algumas das salas não poderemos matar ninguém  pois só existem sistemas de deteção, preparados para nos matar mal sejamos detetados. A IA também não está muito mal desenvolvida, muitas das vezes os guardas quando nos conseguem ver ficam sempre em alerta, só quando provocamos alguma situação é que eles apenas ficam em alerta durante algum tempo, voltando depois à sua “animação” inicial.

[singlepic id=1279 w=610 h=343 float=]

Resumindo, Mark of the Ninja é um dos grandes Arcades lançados este ano, com cerca de 7 horas de jogos e meia dúzia de missões, este é um jogo de brutalidade misturada com stealth, cabendo a cada um a decisão de como é que quer executar as missões. Sem trazer nada de novo, este jogo consegue aplicar várias técnicas de forma bastante original e eficaz ao nível da jogabilidade, focando um pequeno pormenor de que nós não conseguimos ver através de uma porta ou parede caso não estejamos mesmo ao lado delas, mas conseguimos ouvir os passos dos soldados do outro lado com uma distância aceitável das mesmas. São estes pequenos pormenores e toda a diversão que o jogo poderá dar aos jogadores que este Arcade poderá ser considerado um dos melhores do ano valendo o seu valor de 1200 Microsoft Points.

Versão testada: Xbox 360

Related posts