Foul Play apresenta-se como um palco de teatro onde irá decorrer uma peça cujo protagonista principal é o Lorde Dashforth acompanhado pelo seu companheiro Mr. Scampwick. Juntos mostram ao público as aventuras pelas quais o Lord Dashforth passou na sua juventude. Muito possivelmente com um pouco de exagero teatral, com a presença de monstros, múmias entre outras criaturas místicas e irreais.

[singlepic id=4745 w=328 float=right]Quando a Cena começa só existe pausas para as mudanças de Actos. Enquanto os nossos caçadores de demónios avançam pelo cenário fora, os ambientes vão mudando de uma forma bastante teatral, com os diferentes conteúdos das cenas a subir a descer, a serem transportados para um lado e para o outro, entre outras características engraçadas que foram adicionadas neste título. Toda a história contada em cena está envolvida numa suave camada de humor, onde não se consegue prender um pequeno sorriso, ou mesmo uma boa gargalhada, com os actores derrotados em cena a arrastarem-se para fora do plano de acção, e alguns dos técnicos de limpeza a demorarem muito tempo a saírem do local onde estão e a aparecerem no campo de visão da câmara.

Deixando as características engraçadas um pouco de parte, vamos à parte da jogabilidade, onde nos é dado controlos bastante simples, com acções simples como defender, esquivar e atacar. Estas são as principais funções que necessitamos saber para conseguirmos concluir cada Acto, inimigos vão aparecendo nós vamos defendendo e atacando, esquivar será apenas usado para sair de situações de muita confusão. Apesar de simples e repetitivo os combates são interessantes e desafiantes se pensarmos em fazer o maior numero de hits seguidos.

[singlepic id=4743 w=610  float=]

Cada missão é classificada com estrelas de acordo com os pontos que se conseguirem fazer durante toda a acção, Esta classificação vai aumentando de acordo com a forma que formos derrotando os nossos inimigos, simulando assim a satisfação do público que irá saltar das cadeiras ao conseguirmos uma combinação de combos boa, cerca de 50 hits.

Mas como nem tudo são rosas, temos alguns problemas neste ponto do jogo, sendo uma delas a profundidade dada ao plano de jogo que é bastante irritante quando tentamos acertar num inimigo e ele está ligeiramente mais em baixo, dando origem a perder a nossa contagem de hits, mas enquanto estamos a dar dano num dos inimigos e outro se aproxima já existe um reconhecimento da sua presença naquele plano, estes planos também é um pouco frustrante nos mini bosses, que constantemente fogem para um desses planos mais distantes de nós e não lhes conseguimos acertar de imediato. Pequenos problemas que nos podem surgir mas que não dificultam assim tanto a nossa progressão na acção, apenas criam quebras no combate.

[singlepic id=4744 w=328 float=left]Existem cinco Cenas e vinte e dois Actos, com as primeiras quatro Cenas a ter cinco Actos e a quinte Cena conta apenas com dois actos. O último Acto de cada Cena está reservado para um Boss, que depois de derrotados nos deixam pistas para continuarmos as nossas aventuras em busca de uma resposta para o sucedido. Toda esta cena de teatro pode ser jogada em modo singleplayer ou cooperativo não havendo grande diferença entre cada uma delas. Os inimigos continuam a atacar com a mesma quantidade e a sua vida também não é aumentada, o que podemos classificar como uma experiência mais facilitada. Sem grandes adições extra ao modo cooperativo, este apenas nos dá mais gozo por termos um amigo a jogar em conjunto connosco, as acções de cada um conta como uma só, e a diversão aumenta com a possibilidade de efectuar golpes em conjunto.

De sublinhar que no modo singleplayer o nosso companheiro Mr. Scampwick só aparece nas cenas de animação da história, “escondendo-se” atrás de nós, Lorde Dashforth, depois dessas cenas e sem existir qualquer tipo de ajuda nos combates por parte da Inteligência Artificial do videojogo. Consideramos uma falha, pois podia existir pelo menos um ataque onde pudéssemos usar a ajuda do nosso companheiro para tornar a acção um pouco mais excitante e sentir que ele ali está para mais do que aparecer nas animações e esconder-se atrás de nós.

[singlepic id=4746 w=610 float=]

Contudo este é um título com uma ideia bastante engraçada, com uma peça teatral que se apresenta de baixo investimento, com os actores a mostrarem-se por entre os fatos, os diversos momentos de mudanças de cenas entre outras coisas. Com alguns problemas técnicos no que respeita ao plano de acção que é percorrido pelos actores, aparenta ter quilómetros pois o chão não se movimenta de forma aos actores estarem no mesmo sitio. Mas com uma um desenvolvimento inteligente que nos faz agarrar o comando e tentar completar todos os desafios e descobrir o segredo por trás do Foul Play.

Pontos Positivos:

  • Conceito divertido
  • Combates gratificantes

Pontos Negativos:

  • Ausência do Mr. Scampwick na acção no modo singleplayer
  • Plano de acção

Versão testada: Xbox 360