26 Ago 2018
Análises

Análise – Xenoblade Chronicles X

Este não é apenas mais um RPG no catálogo da Nintendo, mas é sem dúvida o RPG da Wii U.A palavra de ordem da Nintendo é divertimento. Divertimento esse que é descomprometido, sem espinhas, e que tem sido a imagem desta empresa desde a sua geração de cartas até aos dias de hoje. Mas durante o percurso de sucesso desta companhia, temos vindo a encontrar um pouco de tudo, no que toca a videojogos. Jogos simples e básicos, jogos bons, excelentes, maus, muito maus, difíceis, impossíveis, enfim, de tudo o que alguma vez poderíamos esperar, mas não esperávamos nada com Xenoblade Chronicles X.

Durante esta eterna guerra de consolas e PC, a Nintendo sempre foi denominada de marca para crianças, para gente nova, para quem não leva os videojogos a sério. E porque é que deveríamos levar? Porque agora temos Xenoblade Chronicles X. Não digo que antes deste título não tínhamos outros jogos que levassem a coisa mais a sério, mas a experiência nunca foi tão imersiva como é aqui.

XENOBLADE CHRONICLES X

A história começa quando dois impérios alienígenas entram em guerra e com essa guerra veio a destruição do nosso planeta, Terra. No meio de tanto caos, algumas naves com o que resta da humanidade conseguem fugir e ficam à deriva pelo espaço até que depois de um novo ataque, aterram num planeta denominado de Mira.

XENOBLADE CHRONICLES X

Mira é um planeta repartido por cinco continentes gigantescos, cada qual com o seu habitat próprio, que oferece uma quase “infindável” exploração como nunca antes vista em qualquer jogo feito até à data. As criaturas que habitam Mira também são algo de único e a produção do jogo não olhou a meios para as tornar tão ou mais apelativas ao jogador como o próprio ambiente do planeta em que a acção se desenrola. Estas criaturas são originais, com um design intrigante e muitas das vezes grotesco que nos faz querer continuar a explorar à procura da próxima que nos faça ficar ainda mais boquiabertos que a anterior. O que também me fez ficar boquiaberto foi o facto de termos inimigos de nível 2 ao lado de inimigos de nível 12 e por aí adiante. Este factor pode ser visto como algo natural e previsível de acontecer se formos a comparar à realidade do mundo em que vivemos, mas aqui, por vezes torna-se um pouco frustrante querermos grindar o personagem e quando estamos quase a matar aquele inimigo dois ou três níveis acima do nosso, vem um de cinco níveis acima que nos atropela sem dó nem piedade.

XENOBLADE CHRONICLES X

 

Para quem achava que a Wii U era uma consola que chegou cedo demais à actual geração de consolas,  e que em capacidade gráfica iria ser sempre inferior às suas rivais, Xenoblade Chronicles X chegou para elevar esta consola ao mesmo patamar que as suas “arqui-inimigas”. Aqui, as texturas, a profundidade de campo e a quantidade de objectos e inimigos que conseguimos ter na mesma tela é digna de puxar qualquer CPU à máxima fervura, e aqui a Wii U fá-lo de uma forma impecável e fora de série sem quaisquer slowdowns ou quebras na acção de jogo.

XENOBLADE CHRONICLES X

Neste título assumimos o papel de um dos poucos sobreviventes da USS White Whale, que aterrou em Mira depois de deportada do planeta Terra. Depois de um profundo sono, somos acordados por Elma, a capitã de BLADE, força militar ao serviço do governo de New Los Angeles, cidade em que habita a última esperança humana.

XENOBLADE CHRONICLES X

Depois de introduzidos ao novo mundo e à nossa nova casa, podemos também escolher uma de diversas categorias para o nosso personagem. Pathfinders, Curators, Harriers, Interceptors, Mediators, Outfitters, Reclaimers e Prospectors. Cada categoria tem o seu propósito e opera de forma diferente no desenrolar do jogo, mas nunca nos desvia da trama da história.

XENOBLADE CHRONICLES X

XENOBLADE CHRONICLES XO modo de combate continua fiel ao primeiro título da série, com algumas melhorias e novos ataques, upgrades, armas, etc. Aqui continuamos a auto-atacar os inimigos enquanto podemos programar que habilidade usar a seguir, tudo em tempo real. A maior novidade, e digo maior pelas suas reais dimensões, é a implementação de Mechwarriors denominados de Skells que oferecem uma nova liberdade de jogo, uma nova experiência de combate, e claro, um método de transporte vital para explorar Mira.

XENOBLADE CHRONICLES X

A banda sonora apesar de ter faixas que ficam no ouvido, torna-se repetidíssima, chegando por vezes a não se adequar bem ao ambiente de jogo. Os personagens também são pouco inspirados, bastante Anime, não se encaixando no universo do jogo.

XENOBLADE CHRONICLES X

 

Resumindo, Xenoblade Chronicles X é um título que vende consolas, introduz novos jogadores ao universo dos RPG e que se torna em mais um pilar inquebrável neste gigante universo de títulos imprescindíveis da Nintendo. É isto que queremos, e vamos querer mais no futuro, com toda a certeza.

Também te pode interessar