Spartacus Legends é um jogo Free-to-Play, disponível na PSN e XBLA, desenvolvido pela Ubisoft.

O jogo é baseado na famosa série da Fox, Spartacus, contendo várias personagens da série, que eventualmente se poderão tornar jogáveis quando forem derrotadas. Iniciamos o jogo e somos postos na grande arena no papel de Spartacus contra Atilius, contudo isto é uma luta tutorial, e é aqui que iremos aprender os comandos básicos do jogo como o ataque forte, ataque leve, agarrar, murro e desviar.

[singlepic id=4352 w=610 h= float=]

Depois desse primeiro combate ficamos a saber o que somos. Pode parecer estranho, e quem viu este jogo poderia pensar que seria à volta de criarmos o nosso gladiador e a partir daí seria ao estilo de RPG com subida de níveis e compra de armaduras melhores (tal como eu pensava que era), mas afinal tomamos o papel de Lanista (dono de uma casa de gladiadores) e somos nós que contratamos gladiadores novos e de diferentes estilos, compramos armaduras novas e equipamos os gladiadores, mas quando é a altura do combate somos colocados na pele do gladiador.

O papel de Lanista é muito fácil de lhe ganhar o gosto, visto que ao inicio pouco se pode fazer, mas à medida que vamos avançando no jogo iremos ganhando dinheiro, e com esse dinheiro podemos comprar gladiadores de estilos diferentes, armaduras que assentem melhor ao estilo do gladiador e também temos perks, que são uns boosts que podemos “colar” ao nosso gladiador para ter um bonus.

O papel de gladiador já é totalmente diferente e ao mesmo tempo o mais complexo do jogo todo. Para começar existe vários tipos de gladiador, sendo que o que varia é a sua arma de eleição, e isso faz com que o equipamento todo tenha de ser colocado conforme a arma. Começamos com um gladiador de espada e escudo, mas quando tivermos moedas de prata suficientes para comprar outro temos as opções de: duas espadas, duas adagas, martelo de duas mãos, espada de duas mãos, tridente, lança e escudo, e por fim, se armas. Cada estilo requer um tipo de armadura que beneficie o estilo de luta, por exemplo, um gladiador com duas adagas precisa de equipamento que beneficie a esquiva e a velocidade, onde um que use a espada de duas mãos precisa de mais dano de pankration (combate de corpo) e força. O problema nisto é o jogo ter um processo de evolução muito lento, colocando o jogador numa rotina repetitiva para poder subir de nível e ter armaduras melhores, e o problema é que não sentimos isso com o avançar do jogo, mas sim logo ao inicio. Começamos no Ludos famoso da série, e temos vários eventos por onde escolher:

  • Batalhas – Combates normais, com gladiadores ao calhas, sabendo apenas o estilo de arma dele, e que pode ser repetido várias vezes.
  • Desafios – Onde o jogador luta com um gladiador específico, sabendo à partida a arma e o nível de equipamento dele, e que só pode ser feito uma vez.
  • Boss – Depois de se completar os desafios todos o jogador desbloqueia um combate final em cada zona.

[singlepic id=4353 w=610 h= float=]

O problema disto é que cada zona tem entre quatro a seis desafios, que são facilmente exequíveis se o jogador já tiver um bom equipamento. Contudo para avançar para a próxima zona há um desnível de equipamentos, aliás, até na primeira zona somos logo confrontados com isto. As batalhas e desafios têm adversários com um nível de equipamento entre os 19-60, e o boss da zona, neste caso o Oenomaus, tem um nível de 215 e para quem ainda não apanhou as partes mais avançadas do sistema de combate, vai ter de fazer inúmeras batalhas para subir de nível e ganhar equipamentos novos para o seu gladiador. Temos depois também um tempo de “descanso” depois de uma batalha, ou seja, durante um certo tempo, não podemos repetir a mesma batalha, forçando o jogador a ir para um evento mais difícil, podendo custar-lhe um gladiador, ou se o jogador preferir ir pelo seguro, uma batalha mais fácil, recebendo menos fama e dinheiro.

Dentro do combate em si o jogo ganha um certo nível de complexidade, onde já mencionei que existem gladiadores de cada tipo, e cada um com a sua fraqueza e pontos fortes, mas depois temos a esquiva que depende dos reflexos do jogador e da capacidade de antever o movimento do adversário. A esquiva pode ser feita rebolando, contudo se o outro gladiador estiver a meio de um combo, o mais provável é ainda sermos apanhados. Outra maneira de se desviar de ataques é com um passo, onde se dá um flick no analógico e o gladiador dá um passo grande atrás ou à frente e também temos a esquiva de precisão, onde o jogador pode carregar RB/R1 mesmo antes de ser atingido, cancelando o combo do inimigo e colocando-se numa posição de contra-ataque.

No decorrer das lutas, tudo corre razoavelmente bem, tirando alguns momentos injustos no sistema de luta e algumas animações sem sentido, onde não existe uma diferença entre bloquear alto e bloquear baixo, então por vezes estamos a bater no inimigo que está sempre a defender à espera que a sua defesa acabe para termos uns dois a três segundos para fazer um ou dois combos. Temos o comentador do combate que é extremamente irritante, isto porque apenas tem umas três falas, e ao fim de dois combates já não se pode ouvir ele dizer o mesmo. O jogo apresenta um nível de gore aceitável, para o que é, mas é tudo mecânico, ou seja, podemos estar a fazer combos para acertar por baixo, mas os gladiadores acabam sempre com os mesmos 2-3 cortes no peito e manchas de sangue no mesmo sítio.

[singlepic id=4355 w=610 h= float=]

Os combates têm um elemento chamado o favor do público, onde se fizermos um bom combate e agradarmos o público no fim teremos direito a fazer uma execução, mas o adversário tem o mesmo direito. Isto pode ser problemático porque se o jogador estiver dependente de apenas um gladiador, basta ter um mau combate ou estar numa zona em que facilmente se agrada o público, como no Insulae, o jogador pode ficar sem um gladiador. Quanto um gladiador morre o jogador pode pagar para o ressuscitar três vezes com dinheiro do jogo, mas a partir daí já terá de pagar dinheiro verdadeiro para o manter vivo, e o preço será sempre a crescer.

A diferença entre as várias zonas é o dinheiro e a fama que ganhamos. A fama funciona como pontos de experiência, e quanto mais fama tivermos, maior será o nosso nível e maior será a a quantidade de equipamentos e gladiadores à venda. O dinheiro servirá para comprar slots no ludos, para podermos abrigar mais gladiadores, comprar equipamentos novos e perks novos. Existem dois tipos de valores monetários: Silver e Gold coins. Silver coins é o dinheiro normal do jogo, que se ganha em batalhas, Gold coins apenas se podem ganhar subindo de nível ou então pagando uns quantos euros. Isto é a maneira como os jogos free-to-play funcionam, em que se não quisermos gastar dinheiro, temos um caminho longo e demorado pela frente, ou então paga-se para ter acesso rápido a tudo tornando o jogo mais curto e menos secante, mas ao mesmo tempo pode-se gastar tanto ou mais dinheiro como se gastaria num jogo comprado numa loja.

Os items que desbloqueamos à medida que vamos evoluindo no jogo são muito variados, mas por vezes não são o suficiente. Encontrei casos em que precisava de um gladiador com um martelo de duas mãos, então gastei as minhas Silver coins todas numa slot nova e num gladiador novo, seguindo com umas horas de jogo para ganhar mais dinheiro, apenas para me deparar que as armaduras que haviam não eram as melhores para o tipo de gladiador que ia usar, o que me forçou a estar mais horas a fazer sempre as mesmas lutas para ganhar mais dinheiro e fama, e 2 níveis depois já tinha algumas peças boas o suficiente para progredir. Isto para os mais impacientes será de certeza um motivo para arrancar uns cabelos, ou simplesmente pousar o comando e ir jogar algo diferente.

Falando nos equipamentos, quem olhar e vir as diferenças, verá um elemento RPG nestes mesmos, onde temos os stats base, e dependendo da raridade (Branco = comum | Verde = incomum | Azul = Raro | Roxo = Épico | Amarelo = Lendário), os equipamentos poderão ter bonus extras como por exemplo: Mais dano de pankration, mais velocidade a rebolar, resistência, mais dano, etc… por isso há uma enorme de variedade de equipamentos, mas por vezes não estão disponíveis quando mais são precisos.

[singlepic id=4354 w=610 h= float=]

O modo online é muito simples, sendo que o jogador luta com pessoas online, pelas 6 arenas, variando o risco da sua batalha. Pouco se pode dizer sobre o online, pois não é fácil encontrar jogadores, e dada a situação, um jogador que não esteja disposto a pagar dinheiro real no jogo, irá evitar por os seus gladiadores em risco.

Resumindo, Spartacus Legends não é mau de todo mas sofre de síndrome de free-to-play, onde o jogador é posto numa situação de tédio e ou desespera e vai jogar outra coisa, ou então abre a carteira para avançar no jogo mais rapidamente. O jogo tem alguns elementos RPGs, tem um combate fluido mas com algumas falhas cruciais e mais importante que tudo, põe-nos na arena com alguns favoritos da série. Infelizmente não pude saber quais seriam os bosses finais de cada zona, pois mesmo com quase 70 horas de jogo, fiquei a nível 13 de 50 e ainda não consegui avançar para a terceira zona. Os mais pacientes certamente terão uma viagem de um a dois meses de jogo para chegarem ao nível máximo.

Pontos Positivos:

  • Lutar com e contra personagens da série
  • Ambiente
  • Diversidade nos estilos de luta

Pontos Negativos:

  • Síndrome free-to-play
  • Falhas no combate
  • Repetitivo
  • Online pouco explorado

Versão testada: Xbox 360