28 Ago 2018
PS4

Análise: LEGO The Movie Videogame

A TT Games traz-nos de novo um jogo do universo da LEGO, repleto de aventura e comédia.

[display_label style=negativo]A ENE3 avisa a todos os que estão interessados em ver o The LEGO Movie, que este jogo poderá conter spoilers quanto ao filme.[/display_label]

 

The LEGO Movie Videogame é o novo jogo da série LEGO, produzido pela TT Games e publicado pela Warner Bros. Interactive A estória deste jogo baseia-se no recém lançado filme, The LEGO Movie.

Neste jogo controlamos Emmet, um simples LEGO construtor, que depois de um dia normal de trabalho, é confundido como o construtor mais extraordinário do universo LEGO. Emmet irá começar a sua aventura com a ajuda dos seus amigos Vitruvius, Benny, Unikitty, Wyldstyle, Batman e Metal Beard para impedir os planos do Lord Business.

O jogo mantém a estrutura dos outros jogos da LEGO, havendo os vários tipos de LEGO que podem interagir com diferentes peças, no entanto, este jogo introduz os Construtores e Master Builders. Os Construtores são LEGOs que apenas podem construir objetos com instruções, como é o caso de Emmet, e temos os Master Builders que não precisam de qualquer tipo instruções, podendo construir qualquer tipo de objeto. Os Master Builders possuem também um poder que lhes permite desconstruir três objetos do ambiente, utilizando esses mesmos para construir algo novo. Outro tipo de LEGOs introduzidos são os titãs, que é o caso do Metal Beard, que são personagens gigantes com um enorme poder de destruição. Vemos também a introdução de um novo tipo de peças LEGO: as peças arco-íris, que apenas a Unikitty pode utilizar.


Unikitty e o seu mundo

Visualmente o jogo já está optimizado para a nova geração, pois como vimos no último título da sério, LEGO Marvel Super Heroes, a TT Games já estava a apostar nas consolas next-gen, introduzindo níveis maiores e uma maior quantidade de partículas. Quanto aos gráficos a produtora pouco mais poderia fazer aos LEGOs, pois o seu aspecto já estava a ser trabalhado ao longo de vários títulos, aproveitando então para optimizar o framerate do jogo, que foi um problema nas consolas da geração atual. Desta vez a TT Games apresenta-nos cinemáticas de luxo, mas isso deve-se à produção do filme, visto que as cinemáticas do jogo são excertos do filme, e daí termos avisado aos leitores relativamente a spoilers. Quanto ao aspecto das mesmas, é sem dúvida as melhores cinemáticas alguma vez vista, onde foi dado um tratamento de topo à imagem. Podemos ver os mais pequenos detalhes de cada LEGO, tal como a textura dos materiais de cada peça, a linha de duas peças fundidas, e os ambientes estão muito bem trabalhados. Contudo como os CGI são tirados do próprio filme, algumas delas não acompanham o que o jogador tem vindo a jogar, podendo causar alguma confusão ou criando a dúvida de haver espaços por preencher.


Grande detalhe nas cinemáticas

No que toca a jogabilidade, o jogo mantém fórmula simples dos jogos LEGO, tendo o botão para atacar, saltar, agarrar/interagir e o de trocar de bonecos. O jogo não é difícil, muito pelo contrário, os puzzles e desafios ao longo dos níveis são extremamente fáceis de resolver e por vezes estão referenciados com waypoints. O jogo desta vez está dividido por mundos, pois segundo a narrativa, o Lord Business irá atacar todos os mundos da LEGO, então o jogador tem a oportunidade de navegar entre alguns desses mundos, com níveis espalhados pelos mesmos. Cada mundo é único e facilmente reconhecido por quem já tenha entrado numa Toys R Us na secção da LEGO, tendo também presente os bonecos desses mesmos universos. O jogo tem o modo Free Play, que permite ao jogador rejogar os vários níveis, podendo escolher as suas personagens de eleição antes de iniciar o mesmo. Este modo é igual ao modo campanha, retirando as cinemáticas, scripted events e algumas conversas entre personagens.

Enquanto que em títulos anteriores da série o jogador tinha uma painel de controlo, que lhe permitia escolher o nível que queria jogar, em The LEGO Movie Videogame o jogador terá de andar entre os vários níveis à procura do local para iniciar o nível. Isto pode ser problemático caso o jogador queira rejogar os níveis por ordem, pois caso o jogador se lembre dos locais, poderá ter dificuldades em encontrar o nível certo.


Um mundo cheio de movimento

A banda sonora deste título é uma das melhores apresentadas num jogo da LEGO. Todas as musicas utilizadas estão bem enquadradas com o ambiente e com o que se passa com o espaço envolvente ao jogador, criando um harmonia entre os vários elementos do jogo, dado uma maior sensação de imersão no mesmo. O voice acting também está muito bem conseguido, contudo é pena que não tenham usado as mesmas vozes de personagens que já tinham marcado presença em títulos anteriores, como é o caso do Batman e Super-Homem. Outro elemento que podemos certamente contar com este título é o humor a que os jogos da LEGO nos tem habituado.


Uma experiência imersiva em todas as vertentes

Em geral o jogo não é dos mais extensos da série, mas é capaz de proporcionar cerca de quinze a vinte horas de jogo, dando também tempo para o jogador explorar os vários níveis, apanhar todos os colecionáveis e experimentar todas as personagens. O jogo mantém a formula dos títulos anteriores, melhorando a estabilidade do jogo em geral e apresentando ao jogador espaços maiores com mais conteúdo a acontecer ao mesmo tempo. A banda sonora e as vozes do jogo estão muito bem conseguidas, mas o mesmo não se pode dizer para algumas cinemáticas. Podemos dizer que é mais um título da LEGO que irá atrair os fãs do costume, apresentando-lhes os vários universos da LEGO.

[display_label style=success]Pontos positivos[/display_label]

 

  • Diversidade do universo da LEGO
  • Banda Sonora
  • Humor
  • Novos conteúdos

[display_label style=negativo]Pontos Negativos[/display_label]

 

  • Algumas sequências sem nexo
  • Confusão para rejogar níveis anteriores

[display_label style=plataforma]Analisado na PlayStation 4 com uma cópia cedida pela UpLoad[/display_label]

Também te pode interessar