27 Set 2019
PS4

Análise – Star Wars: Battlefront

A long time ago in a galaxy far, far away….

A poucos dias do lançamento da sétima entrega cinematográfica, não podíamos estar mais dentro do espírito para combater rebeldes dentro dos nossos apertados fatos brancos. Que a força esteja connosco.

star wars

Publicado pela Electronic Arts e desenvolvido pela DICE, Star Wars: Battlefront apareceu, no horizonte, com a promessa de ser a derradeira experiência de combate numa das sagas mais ricas do cinema. Lançado a 19 de Novembro para a Xbox One, Playstation 4 e Computador, seja para abrir o apetite aos fãs, ou apenas para rechear, ainda mais, um ano em que A Força esteve connosco, a verdade é que a DICE quis dar continuação à bem sucedida saga Battlefront, misturando uma pitada da sua já reivindicada e vencedora receita Battlefield. Será que conseguiram evitar o Dark Side?

Adeus campanha. Olá multijogador.

Foi com alguma relutância que recebemos a noticia de que o jogo seria, apenas, multijogador. É uma aposta arriscada, e no nosso ponto de vista desnecessária, uma vez que as teias da história Star Wars já estão, por si, tão bem argumentadas e interligadas que é um pouco contra-natura não serem exploradas.

starwarsbf1

Relativamente a Star Wars: Battlefront, a DICE idealizou toda a experiência como um reboot da série. No entanto, tal como os anteriores, o conceito mantém-se ligado ao estilo clássico de ação na primeira/terceira pessoa. Existem bastantes armas que iremos desbloquear ao longo de toda a nossa experiência em Battlefront, bem como um sistema de cartas que, na sua essência, são power-ups que podemos levar para cada combate. Desde granadas até jetpacks, existem várias cartas que poderão ser compradas à medida que subimos de Rank e que nos auxiliarão durante os massivos combates de Battlefront.

O jogo é-nos apresentado em dois modos. Temos as missões (de combate ou de sobrevivência), que poderão ser jogadas a solo ou com um amigo (online ou em split-screen) e o prato principal do jogo – O Multijogador. Apesar de Battlefront já ter conteúdo descarregável pronto a ser comprado e de estarem mais DLCs a caminho, out-of-the-box podemos contar com 9 modos.

starwarsbf3

Fighter Squadron, onde tomamos os céus nas icónicas naves da Guerra das Estrelas. Podemos pilotar desde TIE Fighters até X-Wings, passando pelos A-Wings e TIE Interceptors, nunca esquecendo a Millennium Falcon e a Slave I. A pilotagem das naves é muito intuitiva e acaba por tornar este modo bastante interessante para quem gostar de combates aéreos.

Existe o modo Cargo, que funciona de uma forma análoga ao Capture the Flag. Tanto rebeldes como Imperiais tentam chegar até à carga, roubando-a e transportando-a para as suas respetivas drop-zones.

Supermacy, onde teremos que capturar pontos até conseguirmos, finalmente, controlar a base inimiga.

Hero Hunt, que nos coloca na pele de um herói contra todos os restantes jogadores da partida. Quem conseguir matar o herói, personifica-o na próxima ronda.

starwarsbf2

Existe também o modo Walker Assault, que é um dos modos mais aclamados do jogo e, ainda, um dos que estiveram incluídos na beta. Numa luta épica de 20 contra 20, os Imperiais marcham com os seus AT-ATs e é dever dos rebeldes pará-los. É um modo de jogo bastante assimétrico, no entanto é muito gratificante quando, no meio de uma batalha intensa, conseguimos destruir um AT-AT!

O modo Drop Zone poderá, também, parecer bastante familiar aos mais próximos do género Shooter. O jogo funciona tal e como King of the Hill. Temos que capturar e segurar zonas onde os escape pods se despenharam.

O modo Blast, que funciona pura e simplesmente como Team Deathmatch.

Existe ainda o Droid Run, onde temos que tomar controlo de três droids simultaneamente, e acaba por se apresentar, na sua essência, como um modo domination, com a particularidade de que os pontos a capturar são móveis.

Por último, temos o Heroes vs Villains, um modo onde os três heróis, juntamente com três atiradores rebeldes, serão confrontados com os três vilões, salvaguardados por três Storm Troopers. O objetivo é simples. A equipa dos heróis terá que eliminar os três vilões, antes de que a equipa dos vilões acabem com os heróis, e vice-versa.

No momento em que dei por mim perdido numa das florestas de Endor, a fugir de Boba Fett, percebi que estava a viver uma experiência Star Wars!

Nos modos Supermacy e Walkers Assault, para além do combate a pé, que poderá ser em primeira ou terceira pessoa, teremos ainda a possibilidade de utilizar veículos (terrestres ou aéreos). Para isto, estão espalhadas pelo mapa pequenas orbs que, quando trespassadas, nos permitem utilizar os mais diversas veículos ou heróis. Como heróis, do lado dos rebeldes poderemos encarnar Luke Skywalker, Leia Organa ou Han Solo, já do lado do Império teremos Darth Vader, o Imperador Palpatine e o caça recompensas Boba Fett.

Star Wars: Battlefront

Existe ainda um modo Diorama que, à medida que o vamos desbloqueando, nos transmite informações sobre todas as personagens e veículos de Star Wars: Battlefront, dando um pouco mais de background para os menos conhecedores de toda a envolvência deste rico universo.

Em suma, o carimbo Star Wars está presente, de uma forma sublime, em todos os diversos modos de jogo. A experiência sente-se parte do universo Star Wars e, numa ótica pessoal, isto é o mais importante a que a DICE poderia aspirar. No entanto, a falta de conteúdo out-of-the-box, que poderia passar despercebida caso houvesse um modo campanha, acaba por penalizar o jogo. Esta poderia ser a derradeira experiência Star Wars.

No entanto, tecnicamente o jogo brilha. Visualmente, Star Wars: Battlefront é impressionante. Desde texturas altamente retocadas até cenários arrebatadores, foi impossível não ficarmos rendidos ao poder do motor Frostbite. Nunca Hoth, Endor, Tatooine e Sullust foram tão bem recriados num videojogo! Além disto, também as armas, veículos e modelos de personagens estão fielmente representados, o que nos ajuda à hora de sermos sobre-acolhidos pela vibe do jogo de uma forma irrevogavel. Além do grafismo soberbo, somos pautados por trilhas sonoras que soam muito familiares aos ouvidos de todos os fãs da saga.

Apesar da sua falta de conteúdo ser incontornável, recomendamos vivamente esta experiência aos fãs de Star Wars.

May the Force be with you!

Related posts