26 Ago 2018
PC e Mac

Análise – GTA V

Os vários atrasos por parte da Rockstar no lançamento do Grand Theft Auto V para o PC, começaram por causar sérias dúvidas a alguns jogadores sobre a verdadeira qualidade deste jogo. Pelos fóruns do mundo fora, passando pela comunidade da Steam e da própria Rockstar, muitas questões foram levantadas sobre o que se passaria por detrás das cortinas. A resposta da marca a estas dúvidas, foi simplesmente um trabalho de mérito reconhecido mundialmente. Desde o detalhe gráfico, às inúmeras customizações possíveis para se fazer, podemos dizer que valeu bem a espera.

Ao contrário de muitos port-ins de jogos para a plataforma PC, o GTA V demonstra uma facilidade – quase como se o jogo fosse nativo do PC – para se percorrer os vários menus e personalizar os vários controlos do jogo. Num lado mais técnico, este oferece a possibilidade aos jogadores com PC menos potentes de conseguirem correr o jogo fluidamente e com uma boa performance à custa de alguma perda de gráficos. Mas felizmente, o mesmo acontece com o inverso. A fim de conseguirmos correr o GTA V com os gráficos todos ao máximo, necessitamos de ter uma máquina acima da média para tal. É um jogo que a nosso ver necessita de muito mais poder gráfico do que um bom processador e RAM combinados. Uns estonteantes 65 GB serão necessários para conseguirmos instalar e correr o jogo de raiz. Atenção que quem tem caracteres especiais no nome de utilizador do Windows, poderá encontrar problemas ao conseguir correr o jogo. Espera-se um patch para este problema em breve.

1.jpg

A nível gráfico, existem inúmeras opções possíveis, desde a alteração dos parâmetros mais comuns aos ajustes de FOV (Field-Of-View). Todos os controlos podem ser personalizados e ainda conseguimos colocar as nossas músicas favoritas no rádio in-game. Todos os menus parecem ser nativos do PC e até o Web Browser consegue parecer como o do nosso computador. O único sítio que nos deixa uma pequena lembrança que este jogo não era originalmente feito para PC, é no scroll dos vários parâmetros dentro dos menus do jogo, onde temos que nos deslocar dificilmente com o rato ou facilmente com um D-Pad ou as setas do teclado.

A nível de jogabilidade, podemos afirmar que é simplesmente sensacional. Temos a possibilidade de jogar com rato e teclado, com comando ou até se quisermos com ambos ao mesmo tempo. Neste caso, foi utilizado o rato e teclado durante o modo FPS e com veículos/terceira pessoa fez-se questão de utilizar um comando. Não é necessário alterarmos qualquer tipo de opção, é só pegar e jogar.

1.jpg

Durante o tempo de jogo, foi sentido que a utilização do rato em FPS é quase como fazer batota. Apontar a cabeça e matarmos em one-hit é extremamente fácil. Sabemos que em Los Santos é a lei do mais forte que prevalece, virem resmas de inimigos e conseguirmos mata-los a todos com um carregador faz-nos sentir importantes naquele sistema. Apenas a polícia consegue dar luta neste campo, uma vez que estão sempre a vir mais e mais, obrigando-nos a fugir por falta de munições ou a morrermos sem ela.
Passando para o modo online, a cidade é tão grande que chega perfeitamente para 32 jogadores andarem por lá a fazerem o que lhes apetece. Para aqueles que gostam de um desafio para além do single player, este modo irá proporcionar umas boas e longas horas de jogo. Mas nem todas estas horas serão passadas a jogar. Os loading screens são demasiadamente longos e quebram um pouco a emoção com que ficámos ao sair de um determinado evento. As salas são criadas por hosts, que se por alguma razão forem desligados ou resolverem sair da sessão, penalizam assim os jogadores que estiverem nela.

Com alguma sorte, o host é direcionado para outro jogador e conseguem continuar o evento, mas nem sempre isto acontece, fazendo assim os vários jogadores da sessão desconectarem-se e perderem todos os benefícios que poderiam ter ganho.

1.jpg

Passando este ponto, o online apresenta-nos uma variedade de eventos, desde simples death matches, a corridas de carros, barcos e aviões de combate, às famosas missões co-op heists. A isto tudo, ainda tem o acrescento do open-world, onde do nada podem vir jogadores a distribuir tiros a tudo e a todos, gerando quase uma guerra civil. Temos tanto conteúdo da parte do online, que por si só, muita gente da comunidade considera esta uma das razões principais para o GTA V ter o sucesso que tem. Num lado mais técnico, não é necessário ter uma internet de grande velocidade, mas é necessário termos uma taxa de upload ainda considerável a fim de não causarmos lag aos jogadores que estão connosco. Além disto, ao termos 32 pessoas no mesmo cenário, onde cada um pode estar personalizado como entende, é normal que os requisitos para conseguirmos correr o jogo fluidamente são ligeiramente superiores aqueles requeridos para o single player.

Uma das características mais importantes que diferencia o PC das consolas neste título, é o Rockstar Editor Movie Tool e a sua associação ao Director Mode in-game. Esta característica coloca ao nosso dispor uma variedade de modelos de personagens para utilizarmos nas nossas cenas cinematográficas mais criativas. Esta ferramenta permite-nos capturar e editar vídeos para depois exportarmos para o fim que pretendermos. De realçar, que esta mega feature apenas está disponível na versão PC.

1.jpg

Em suma, GTA V é um jogo obrigatório para os fãs da série e que possuem um computador à altura deste monstro. Este jogo foi cuidadosamente tratado para a plataforma em questão e certamente subiu a fasquia para os jogos open-world que estão para vir. Com o seu conteúdo rico e elaborado, com tanto para fazer e jogar, podem contar com horas e horas de diversão. Se trouxerem amigos para a componente online, podem contar com uma multiplicação do nível de diversão.

Avaliação: Muito bom

Também te pode interessar