Um RPG como há muito não se via.

Torment: Tides of Numenera é um RPG à antiga, onde as bases de D&D estão bem presentes e o combate acaba por ser opcional. Desenvolvido pela inXile Entertainment (The Bard’s Tale, Wasteland 2) como um projecto de Kickstarter, Torment: Tides of Numenera prometeu funcionar como sucessor espiritual de Planescape: Torment, também ele RPG mas de 1999 que passava-se numa das localizações do vasto universo de Dungeons & Dragons e tinha uma história bastante interessante e ao mesmo tempo bizarra.

Torment: Tides of Numenera retém alguns desses elementos. Vestimos a pele de um “Last Castoff”, nome dado a indivíduos que serviram como carapaça para a mente de um ser que descobriu uma forma de chegar à imortalidade. “Changing God” é o que lhe chamam, pois ele encontrou forma de passar a sua consciência para outros corpos, renovando assim a sua juventude física. Este ser é tão influente que criou cultos à sua volta, quase como uma religião. O nosso personagem é a sua mais recente criação mas não retém nenhumas memórias do seu hóspede. Começamos a controlar o personagem num dos recantos da sua mente e aqui iremos criar o personagem de acordo com as nossas escolhas.

Gostam de ler? Preparem-se pois este jogo está carregado de texto. Em homenagem aos primórdios deste género, Torment troca as cinemáticas por descrições com palavras. Num exemplo concreto, ao longo da história iremos nos cruzar com dezenas flashbacks que são detalhadamente descritos através de texto. Isto também se passa nos diálogos. Os personagens estão quase sempre estáticos e no meio dos diálogos aparecem frases que relatam pequenos pormenores destes, como detalhes visuais, expressões faciais, pensamentos se o nosso personagem tiver a habilidade de ler mentes, etc… E foi este o elemento que mais gozo me deu no jogo todo, o texto. Está bastante bem escrito, os diálogos são credíveis e a história parece confusa, mas tudo se vai tornando mais claro à medida que nos afundamos na história. Achei bastante enriquecedor falar com os mais diversos personagens para saber mais sobre o lore e pontos de vista de cada um deles.

Ao longo da nossa jornada iremos encontrar diversos personagens que se podem juntar a nós. As nossas decisões determinam se eles continuam ou não connosco e convém irmos conversando com eles para tentar perceber os meus motivos. Normalmente neste tipo de jogos escolho classes de combate, mas desta vez decidi optar por uma mais intelectual e não me arrependo, pois conseguia abordar as situações de forma pacífica e também ler um pouco a mente dos personagens. Era engraçado e útil apanhar os companheiros a mentir ou omitir factos.

O combate é sem dúvida o ponto mais fraco do jogo. Com o tipo de personagem que criei, muitas das vezes consegui contornar conflitos mas existem alguns que são obrigatórios. O combate é por turnos e usamos as Tides para escolher as nossas ações. As Tides são atributos que vamos gastar para aumentar a probabilidade de sucesso das nossas ações, incluindo as que são feitas fora de combate (persuadir, intimidar, tocar em algo sem que ninguém se aperceba, etc..). Tem que ser feita uma boa gestão de Tides, pois são escassas e apenas as podemos recuperar com itens específicos ou dormindo. É um sistema de combate muito parado e que requer muita estratégia, não que eu não seja fã de RPGs parados, mas neste caso tive sempre vontade de utilizar as minhas habilidades intelectuais para evitar confrontos.

A nível gráfico é bastante simples mas os cenários estão bem representados que juntando ao som de fundo, cria um ambiente perfeito para o conceito da história. Os produtores optaram por limitar o fator visual e puxar pela imaginação do jogador.

Resumindo, Torment: Tides of Numenera é feito para os fãs de RPGs clássicos com uma excelente história e um mundo carregado de lore. Mesmo com um sistema de combate desinteressante, a história consegue ser interessante o suficiente para contornar essa falha e junta com fantásticos cenários e bom uso dos sons ambiente, consegue envolver o jogador. No entanto, não recomendo este jogo a qualquer pessoa. Compreendo que os jogadores menos pacientes o achem aborrecido e sem interesse, mas se gostam de histórias que envolvam sci-fi e conceitos bastante diferentes do habitual, porque não experimentar?