Trocamos a pá por uma foice.

Produzido pela Yacht Club Games, Shovel Knight apanhou o público de surpresa quando foi lançado em 2014. O seu estilo 8-bits e uma jogabilidade que mistura as plataformas de Mega Man com a jogabilidade e segredos de Duck Tales, conseguiu atrair até os fãs mais jovens.

Chega agora às lojas digitais a novo DLC standalone, Specter of Torment. Trata-se de um prologo para Shovel Knight onde assistimos à demanda de Specter Knight para reunir os 8 cavaleiros que irão servir a vilã da campanha principal: The Enchantress. Continua a ser um platformer 2D e a maior diferença é nas habilidades e mobilidade do personagem. Trocamos a pá por uma foice, o que nos faz perder a habilidade para partir o chão mas permite-nos usar candeeiros e inimigos para chegar a zonas de difícil acesso, para não falar que temos maior alcance de ataque. Podemos contar com grande parte dos níveis de Shovel Knight mas com algumas zonas diferentes para se adequarem a este cavaleiro.

Perdemos o mapa ao estilo de Super Mario 3 e a selecção de níveis é feita através de um portal, porém continuamos a ter uma zona central onde compramos armas, armaduras e habilidades, estas ultimas com as caveiras que se encontram espalhadas pelos níveis. Aqui podemos também requisitar os serviços da Madame Meeber para fazer scan aos Amiibos (isto exclusivamente nas consolas da Nintendo).

A história acabou por me impressionar. Continua a puxar um pouco para a comédia mas com o drama do passado de Specter Knight presente. Ocasionalmente vão aparecer flashbacks jogáveis que revelam os verdadeiros motivos do “herói” desta aventura. Garanto-vos que ao fim das 4 horas de história vão passar a ver Shovel Knight de outra forma.

Sim 4 horas, foi esse o tempo que acabei a terminar o DLC pela primeira vez. Não que o jogo seja curto, pois tem bastante conteúdo para o preço que pagamos por ele, mas achei que mesmo apanhando todos os colecionáveis o jogo é bastante fácil comparado com a campanha de Shovel Knight. Mas tal como o jogo principal, também existe o New Game Plus. Por norma não costumo jogar estes modos, mas a facilidade de Specter of Torment não me deixou satisfeito por isso decidi abrir uma exceção. Este modo reduz os checkpoints de cada nível para 2 e a nossa barra de saúde funde-se com a barra de magia (darkness) e está constantemente a baixar. O único ponto a nosso favor é que ficamos com o equipamento e habilidades da primeira volta. Mas completar o jogo também nos dá acesso ao Challenge Mode, uma compilação de 18 desafios. Estes desafios consistem em derrotar os bosses num tempo limite e com a nossa saúde bastante reduzida ou até mesmo percorrer um percurso usando a foice como skate (como acontece em algumas secções da campanha)

O motor é o mesmo de Shovel Knight por isso podem contar com uma banda sonora de extrema qualidade (dentro do seu género) e gráficos a simular os 8-bits com grande detalhe nos personagens e nos cenários com aquelas fundos lindíssimos. As animações são bastante agradáveis e é bastante gratificante ver o castelo a ganhar vida gradualmente ao longo da nossa recruta.

Não chega ao nível de Shovel Knight mas tendo em conta o preço é uma aventura carregada de conteúdo e uma história bastante satisfatória. Peca apenas na baixa dificuldade que tornou o seu antecessor tão popular.