26 Set 2019
Análises

Análise – Metroid Prime: Federation Force

Finalmente chegou um tão aguardado novo título da série Metroid. Será que faz justiça ao tempo de espera?

6 longos anos, é o tempo que nos separa de Federation Force com Metroid: Other M. Quando se está quase a perder a esperança do lançamento de um Metroid original para a Wii U 3DS, heis que nos chega Metroid Prime: Federation Force. Será que foi este jogo pela qual levamos mais de meia década a chorar?

metroid prime federation force screen (3)

Federation Force é um Spin-off e como tal, não conta com a heroína da série, pelo menos como protagonista. Aqui controlamos um fuzileiro espacial que opera para a Federation Force, uma organização militar que utiliza mechas baseados na armadura de Samus Aran, para explorar planetas e combater piratas espaciais. Quem já jogou os outros títulos da série Prime vai notar as semelhanças na jogabilidade, mas fora isso, é uma experiência totalmente diferente. A progressão na história não é corrida, mas sim por pequenas missões que em algumas ocasiões, podem até ser feitas pela ordem que quisermos.

Apesar de ter jogado numa 3DS que não tem C-Stick, não me posso queixar dos controlos. A mira é feita pressionando o R e usando o giroscópio da consola para apontar. Ao inicio parece confuso, mas ao fim de 2 ou 3 missões torna-se natural. Contudo, acredito que jogar numa New 3DS seja a derradeira experiência.

metroid prime federation force screen (2)

Neste jogo temos como missão explorar os 3 planetas que constituem o sistema solar Bermuda, à procura de actividades ligadas aos piratas espaciais. Ao todo temos 22 missões divididas pelos 3 planetas e aqui tiro o chapéu à Next Level Games que na minha opinião, apesar de graficamente o jogo não acrescentar nada de novo à consola, conseguiu criar um ambiente adequado a cada um dos planetas e renovando a experiência nos mesmos, cada vez que lá voltava. Falando na arte, os personagens parecem todos “Chibi”, o que não me agradou muito, dado o ambiente pesado que a série Metroid me costuma proporcionar. Voltando ao level design, os níveis por norma são curtos mas têm uma boa quantidade de segredos para desvendar, o que aumenta sempre o tempo que lá perdemos a explorar e verdade seja dita, não me cansaram muito.

Apesar de termos a possibilidade de jogar a jogo, o jogo foi desenhado para ser jogado em cooperação. Infelizmente só consegui jogar 3 missões acompanhado devido ao pouco tempo que passo em casa, mas deu para notar que para ser jogado em condições, temos que juntar 3 amigos, escolher os mods adequados à missão e partir para a exploração. Mods esses que são chips que encontramos ao completar missões e a desvendar segredos dos mapas e servem para aumentar as capacidades do nosso mecha. 

metroid prime federation force screen (1)

Mas para mim os pontos altos do jogo não são dizimar hordas de inimigos nem os puzzles (que apesar de a inicio parecerem ser bastante complexos, acabam por ser bastante fáceis e não darem grande desafio), mas sim as batalhas contra bosses. São batalhas contra criaturas gigantescas e com um designs bastante interessante. Sozinho ou acompanhado, é sempre bom explorar os pontos fracos para perceber como os mandar a baixo.

Blast Ball, o mini jogo gratuito que foi lançado de forma gratuita na eShop também está presente no cartucho. Com a desculpa de ser o modo de treino dos soldados, Blast Ball é um jogo competitivo de 3vs3 com uma ideologia muito ao estilo de Rocket League, só que de tiros, por isso podem esperar um conceito bizarro, mas muito, muito divertido e viciante.

metroid prime federation force screen (1)

No geral, Metroid Prime: Federation Force é um bom jogo para passar o tempo com amigos, seja tentado ganhar todas as medalhas na campanha ou dando show de bola no Blast Ball. Porém o jogo falha em fazer justiça ao nome que carrega, sendo mais um jogo genérico do que propriamente Metroid. 

Related posts