Os fãs de Gran Turismo já podem encontrar o primeiro título da série nesta geração de consolas.

Gran Turismo é um nome que sempre teve no coração dos fãs da PlayStation, e este ano a série celebra o seu vigésimo aniversário. Como tal, vemos o lançamento de Gran Turismo Sport, sendo o primeiro jogo da série a ser lançado na PlayStation 4, estreando a série nesta geração de consolas.

Preparem-se para a competição

Ao contrário dos outros jogos da série, que se marcaram pela sua extensa lista de carros, pistas e eventos, Gran Turismo Sport é mais contido nestes elementos. O jogo apresenta-nos 177 carros, 19 pistas e os eventos não são as convencionais Sunday Cups dos outros jogos. No modo campanha, o jogador terá de completar a Driving School, Missions e Circuit Experiences. A Driving School é como as licenças dos outros jogos, no entanto já não está dividida por categorias, mas sim por dificuldades. É também mais complexa, sendo que o objetivo é levar o jogador a dominar a sua condução, avaliando o mesmo consoante o tempo que o jogador faz. E sim, resume-se tudo a aprender a cortar centésimas de segundos ao nosso tempo.

As Missons são pequenos desafios, onde o jogador terá de cumprir um objetivo estipulado ao início. Algumas são de ultrapassagem, gincanas, slaloms, bowling com cones, etc. A Circuit Experience é parecido à Driving School, no entanto teremos de dominar todas as curvas de todas as pistas, cumprindo o tempo objetivo.

O modo Arcade ainda existe e o jogador pode optar por uma série de eventos, desde Single Race, Time Trial, Drift Trial, Custom Race, 2P Split Screen e VR Tour. O Single Race é bastante óbvio naquilo que pretende ser, no entanto sofreu algumas alterações em relação aos jogos anteriores. Agora o jogador tem três dificuldades (beginner, intermediate, professional), e não tem todas as pistas desbloqueadas à partida. Time Trial, como o nome indica, são corridas para o jogador fazer o melhor tempo possível enquanto que nas Drift Trials temos de bater a pontuação de drift num certo número de curvas. A Custom Race permite ao jogador criar a sua própria corrida, programando todos os pequenos detalhes, desde os oponentes, regras de pista, voltas, etc. Caso tenham um amigo por perto, podem sempre optar pelo 2P Split Screen, e tal como mencionei na minha análise ao Forza Motorsport 7, graças a deus que em 2017 os produtores se lembraram deste modo de jogo. Podem ver a primeira volta feita pelo nosso próprio Marco “The Foxy Stig” Nascimento em Nürburgring.

Por fim, para quem teve a oportunidade de adicionar um PlayStation VR ao seu ecossistema PlayStation, tem o modo VR Tour, que se divide em duas opções – VR Drive e VR Showroom. No VR Showroom somos colocados num espaço virtual com um carro à nossa escolha e podemos explorar o mesmo. No entanto é algo limitado, sendo que não podemos interagir com o carro, nem entrar no mesmo. O próprio movimento é algo estranho sendo que rodamos a plataforma do carro em vez de andar à volta dele. O VR Drive é o mais interessante, pois coloca-nos a competir na vista do cockpit, dando-nos numa imersão total na corrida, mas infelizmente as corridas são limitadas no que toca ao numero de oponentes. Em geral, as funcionalidades VR de Gran Turismo Sport são interessantes e apelativas, no entanto são casos mais de lazer e demonstrativos. Vejam aqui a nossa corrida com o PlayStation VR.

Enquanto o jogador estiver a progredir no modo arcada e nas missões, ele irá ganhar uma série de bónus, nomeadamente experiência, mileage points e créditos. Os créditos e mileage points têm o mesmo objetivo mas propósitos diferentes. Os créditos servem única e exclusivamente para comprar carros, e acreditem que irão ter de pensar bem sobre que carro comprar, sendo que têm valores bastante elevados para o que o jogador ganha numa corrida normal. Os mileage points são para comprar extras, como por exemplo decals, capacetes, fatos, carros especiais (carros de segurança ou limitados) entre outras coisas que irão surgir periodicamente ao longo do tempo. A experiência irá permitir o jogador subir de nível (duh), desbloqueando novas pistas e trials no modo arcada.

Os jogadores tem um hub onde poderá ver o seu perfil. Nesta zona poderá comprar os seus dados diários, semanais ou mensais, onde estão registados a quantidade de quilómetros que fez. Poderão também rever a sua Life Log, sendo que a cada meta ou achievement que alcancem, podem partilhar com a comunidade do Gran Turismo a mesma. Para além dos típicos achievements da PlayStation Network, poderão encontrar achievements internos no jogo, que irão registar certas metas nos diferentes modos de jogo, premiando o jogador com experiência e mileage points. O jogador tem objetivos diários, onde poderá trabalhar para ganhar um pouco de experiência e créditos. Por fim têm a galeria, para poderem rever todas as fotografias que andaram a tirar nos diferentes modos de fotografia.

Sim, leram bem – modo(s).

Uma análise minha sem falar no photo mode não é análise. Para quem segue o nosso site regularmente sabe que sou um fã incondicional do photo mode por poder dar asas à minha veia criativa, e Gran Turismo Sport não foge à regra. No entanto, como mencionei acima, temos mais que um modo de fotografia. Temos dois… que são a mesma coisa, mas com propósitos diferentes. O primeiro são as Scapes, onde podemos escolher diferentes locais do mundo, incluindo Portugal (Porto, Lisboa e Algarve), para colocarmos um ou vários carros e tirarmos uma fotografia. Para além de países também podemos optar por fundos diferentes com temáticas como arquitetura, salões, entre outros. O elemento mais interessante do modo Scapes é que todos os fundos estão mapeados para criar um espaço tridimensional, o que nos permite colocar o carro em qualquer lugar, reconhecendo a profundidade e também a luminosidade. Já tinha ficado impressionado com o mapeamento tridimensional, mas a iluminação foi a cereja no topo do bolo, quando estava a tirar uma fotografia ao meu Subaru WRX ’17 no Ascensor da Bica (Lisboa) e a luz do elétrico estava a ser influenciada pela posição do carro e o próprio carro estava a captar a luz da mesma.

No que toca à edição fotográfica, é capaz de ser o photo mode mais completo que já experimentei, sendo que para além de podermos mexer em alguns elementos básicos da fotografia, como o shutter speed, exposição, luminosidade e contrastes, temos também a opção de trabalhar com filtros e máscaras.

O outro modo de fotografia difere um pouco dos outros jogos, sendo que não podemos parar a corrida a meio e entrar no modo. Para o fazer temos de ver o replay no final da corrida, o que torna um pouco difícil encontrar o momento ideal que queríamos fotografar. Quanto às opções de edição, são as mesmas mencionadas acima. Temos um vídeo no nosso canal do Youtube a demonstrar algumas das funcionalidades.

Se se sentirem com falta de inspiração, podem ir ao modo Discover para ver o que a comunidade do Gran Turismo tem andado a fazer. Aqui podemos ver fotografias e replays publicados, liverys partilhados e até mesmo os perfis de outros jogadores. Caso encontrem um jogador que tem um toque artístico para criar uns liverys interessantes, podem sempre segui-lo para ficarem a par das publicações dele. Podem também descarregar as pinturas para os carros, capacetes e fatos que mais gostarem.

Se já completaram as licenças, missões e circuit experiences o mais provável é terem feito um bom pé de meia para ir às compras. É aqui que vão às dealerships procurar um carro novo para a vossa garagem. Em Gran Turismo Sport temos 177 carros espalhados pelas diferentes marcas. Embora o tema do jogo seja mais vira para os carros de competição, ainda poderão encontrar alguns carros no seu formato original. O interessante das dealerships é a parte histórica, onde podemos ler um pouco sobre as marcas que estão presentes no jogo, incluindo a do próprio Gran Turismo.

Competição em todo o terreno

Depois de comprarem um carro, a atitude lógica é irem gastar mais umas horas a personaliza-lo. Ao contrário dos outros jogos da série os carros já estão preparados para a competição, limitando o jogador a ajustes mecânicos, aerodinâmicos e de tração. Aqui podem manipular as propriedades do mesmo entre as opções de road, drift ou dirt. A vertente mais detalhada que irão encontrar é no editor de liverys (pinturas de corrida), onde podemos criar um personalizado para o carro, capacete e fato, sendo estes últimos dois um pouco mais limitados.

Depois de darem uma volta pelo conteúdo offline, está na altura de darem um salto ao modo online. Mas, primeiro terão de ver dois vídeos instrucionais sobre sportsmanship e maus exemplos de condução, pois Gran Turismo Sport pretende levar o modo online para os eSports, o que fez com que tenham sido implementadas uma série de regras sobre etiqueta de condução desportiva. Isto acaba por justificar a existência dos indicadores de direção, mas se já têm problemas em usa-los na vida real, quanto mais num jogo.

Only on PlayStation

No modo online temos dois modos, sendo um deles o Live Reports, para ver resumos de campeonatos que estejam a decorrer. Esses campeonatos podem ser encontrados numa das categorias que têm para jogar, assim como eventos diários. Nos eventos diários temos sempre três corridas diferentes por escolher de ocorrem de tempo a tempo. Enquanto a mesma não começa, o jogador pode fazer umas voltas de treino, tempos de qualificação para ficar melhor posicional na linha de partida ou até mesmo afinar o carro para melhor se adaptar à pista. Quanto aos campeonatos, podemos tentar fazer um tempo de qualificação, mas pouco mais percebemos do que se poderia fazer.

É um pouco preocupante a falta de conteúdo online que o jogo tem, nomeadamente a opção de jogar mais casualmente ou com amigos. Tudo bem, um amigo pode-se qualificar para a mesma corrida que nós, mas não significa que fique no mesmo grupo. Embora o jogo se queira virar para os eSports, não deviam ter limitado a apenas isso, e deviam ter implementado opções para uma pessoa se divertir um pouco com amigos, visto que até nas missões têm bowling de pinos.

Competir, competir e competir

Outro problema frequente são as penalizações. Graças ao Gran Turismo Sport aprendi muito sobre regras de pista, etiqueta e afins. Acreditem que eu até tento usar os indicadores de direção quando vou tentar fazer uma ultrapassagem, no entanto, cansou-me a quantidade de vezes que tinha de desacelerar porque fui empurrado fora de pista e levei penalizações por causa de outros jogadores. Percebo que estejam a tentar mudar a mentalidade de como as pessoas jogam online, no entanto há coisas que é difícil por na cabeça de certas pessoas.

Uma coisa, que em geral foi um pouco problemática no jogo, foram os loadings. Quando estamos a tirar as licenças ou a fazer as missões, ao trocar de pista, o jogo tem loadings demorado. O estúdio tentou compensar isto, implementando um video instrucional para vermos enquanto o jogo carregava a pista e o evento, mas o próprio vídeo demora a carregar também. Isto para não falar que se estivermos sem internet em casa o jogo vai ser bastante limitado e não irá gravar o vosso progresso.

Em suma, Gran Turismo Sport é muito bom no que toca a ser um jogo de corridas. Implementa conceitos interessantes no que toca a tornar-se mais competitivo e próximo da simulação, no entanto com estas adições houve conteúdo que ficou para trás, nomeadamente aquele que trouxe tantos fãs à série. Por mim, Gran Turismo Sport é um jogo a celebrar o vigésimo aniversário da série, sendo que serve mais de mimo aos fãs mais agarrados à série. Os visuais são deslumbrantes, como seria de esperar e tem muito conteúdo para os jogadores, mas sempre focado na melhoria da condução como preparação para o modo online.