Já terminámos o thriller psicológico Get Even onde dedicámos várias horas a tentar responder a porquês. Venham conhecer a aventura de Cole Black num título que nos surpreendeu pela sua narrativa.

A produtora The Farm 51 fez uma aposta muito forte na narrativa de Get Even, tendo conseguido desde o primeiro momento que começamos a jogar até ao fim, uma experiência diferente do normal, um jogo com ideias diferentes e uma fórmula que prima pela sua diferença no universo dos videojogos.

Na pele de Cole Black, um antigo militar que está a recuperar do seu passado de crime, somos inseridos na vida de uma jovem que está presa a uma cadeira com engenhos explosivos e que fora do nosso controlo, vemos as bombas a explodirem e a verdadeira aventura a começar. Dando uso a um dispositivo de realidade virtual, Cole mergulha numa narrativa cheia de voltas e mistérios que apenas são desvendados à medida que jogamos. Get Even é um jogo diferente pela forma como o jogamos, este universo que nos confunde, que introduz vários personagens mas nunca sem nos dizer em quem realmente devemos confiar. Uma série de perguntas por responder que nos obrigam a levar o jogo de uma ponta à outra. Seja para descobrir quem é a rapariga, ou o porquê de sermos nós o centro daquilo tudo, a The Farm 51 soube criar uma excelente experiência de narrativa que é muito bem executada com a jogabilidade do jogo.

Não é um clássico shooter em que andamos ao tiro de forma desorientada mas é sim um jogo que nos atinge ao nível psicológico…temos que viver as memórias de outras pessoas e ligar as peças pelo caminho até chegarmos à derradeira conclusão. Durante esta procura, lidamos com imenso drama e até uma imagem pesada que acompanha o jogo, sendo sempre vivido num ambiente pesado.

Se procuram um jogo que o seu ponto forte não seja a jogabilidade mas sim a trama que o acompanha, Get Even é o jogo para vocês.

Quando falamos que a jogabilidade não é o seu ponto forte não queremos dizer que é um ponto que também o torne impossível de jogar. Os controlos são simples e funcionam mas não se sente que é um jogo tão pensado no FPS mas sim numa experiência para além disso. As partes mais interessantes são quando usamos o telemóvel ou outros gadgets como lanternas para pesquisar até aos cantos mais escuros. É pena a jogabilidade não ter sido melhor aproveitada para ser melhor encaixada nos ambientes que vivemos, é tudo muito sem sensação e é aqui que o jogo perde pontos.

Por outro lado o som está muito bom e consegue criar uma tensão que faz os fãs de thrillers psicológicos baterem palmas. Seja as vozes ou até a banda sonora, um dos campos mais fortes de Get Even é o seu alto nível sonoro: aconselhamos a jogar com headphones.

Visualmente e como já tínhamos mencionado, vive realmente uma atmosfera muito boa dentro do género de jogo que é, apenas os personagens parecem pouco trabalhados e visualmente datados para um jogo de 2017. Sente-se que a The Farm 51 focou-se muito mais na narrativa e no jogo como uma experiência diferente, do que em dar mais vida e ligação aos seus personagens.

Tendo em conta o seu preço reduzido, Get Even é um jogo obrigatório para quem é fã de thrillers psicológicos. Ganha muito na sua originalidade em como a narrativa nos é apresentada e se desenrola, falhando apenas na jogabilidade e detalhe visual dos personagens e algumas áreas do jogo. Se gostam de ficar presos a um jogo cuja história está envolta em mistério: comprem o Get Even.