Flatout é uma série de jogos de corrida que passou despercebida durante muito tempo. Talvez até tempo demais. Será que vai dar nas vistas neste geração actual?

Apesar de já contar com 8 jogos, este franchise não é tão antigo como parece. O seu início de vida começou em 2004 pela mão da Bugbear Entertainment, na era de 128 bit, e passou por quase todas as consolas da sua altura, computadores e até telemóveis Android.

Muitas companhias transportaram o testemunho deste série ao longo dos anos como a Team6, Zoo Games, etc.  Cabe agora à Kylotonn mostrar-nos o que Flatout 4: Total Insanity é capaz de fazer na PS4, Xbox One e PC.

Para começar, este jogo foi totalmente criado de raiz sem recorrer a remasterizações ou remakes de jogos passados como havia acontencido na Xbox 360, onde o segundo título da série foi transportado para a consola da Microsoft.

Em Flatout 4: Total Insanity temos o já clássico modo de carreira onde competimos em 3 diferentes copas. A copa Derby onde os nossos carros não são assim tão bons quanto isso mas que serve para nos adaptarmos ao que está para vir. Copa Classic que já requer um pouco mais de expertise e Copa Allstar onde temos de ter skill e talvez um pouco de sorte se é que nos queremos dar bem e conquistar o ouro.

Conforme vamos progredindo, vamos acumulando taças que vão do bronze ao ouro, dinheiro para comprar novos bólides, melhorias diversas e ainda outros extras surpresa. De início os nossos carros são muito fracos e para isso temos de angariar dinheiro para comprar um pouco de tudo. Podemos fazer upgrade ao chassi, ao escape, motor, aumentar o nível e eficácia do Nitro, melhorar a direção, rodas, pneus, travões, enfim…uma parafernália de coisas sem fim.                 No entanto, o carisma desta série começa-se a moldar quando podemos também comprar novas skins para os nossos carros, efeitos de chamas a sair do tubo de escape, confetis, explosões e até sons de buzina cómicos.

O grafismo e texturas são competentes e estão à altura do que esta geração requer, no entanto não são tão aprimoradas como em Driveclub ou na série Forza, mas funciona. A jogabilidade está fiel ao que Flatout já nos tinha habituado, onde o ponto forte é a alta velocidade aliada à destruição em série dos nossos oponentes e muitas vezes de nós mesmos.

Para além de pontuarmos por vencer corridas, também recebemos bónus por retirar os outros pilotos de pista a bem ou a mal, bem ao estilo de Carmageddon. Outro dos diversos modos de jogos disponível é o modo Flatout onde ejectamos o nosso personagem para fora do carro como se fosse um boneco de panos, tendo que atingir diversos objectos ou fazê-lo aterrar nos mais diversos tipos de alvos como castelos de madeira, de borracha e para isso temos o auxílio de rampas que nos lembram os clássicos Hot Wheels. No modo Deathmatch temos de destruir tudo e todos antes que nos destruam a nós, e este modo é já um clássico desde a época da Psygnosis com o seu velhinho Destruction Derby. Temos também o modo Beat the Bomb onde temos de passar os checkpoints o mais depressa possível senão o nosso carro vai pelos ares. Por fim, o último modo para jogarmos a solo é o modo Carnage. Idêntico ao Deathmatch mas desta vez é em corrida e tanto os carros como os cenários são destrutíveis. O único defeito que tenho a apontar nestes modos é que temos um carro específico destacado para cada desafio e não podemos transportar o carro que usámos no modo campanha. Mas não se preocupem, a diversão é garantida com qualquer tipo de veículo.

No que toca ao multiplayer e modo online, podemos jogar em Party mode até 8 jogadores locais em arenas como campos de golfe, mesas de bilhar, campos de futebol que fazem tributo a Subbuteo, aros em chamas que relembram as proezas de Evel Knievel, entre outros. Competimos para os leaderboards online com os nossos resultados e temos disponíveis para jogar com outros jogadores de todo o planeta modos exclusivos como Survivor onde só um carro sai vitorioso. Keep the Flag, onde temos de fugir com a bandeira e o clássico Deathmatch.. Em qualquer um dos modos podemos adaptar o nosso carro, percentagem de dano e Nitro, etc.

A banda sonora é toda feita por artistas de rock e punk, com bandas que são pouco ou nada conhecidas como os Matchless, Spider Kitten, Dead Glitter, etc. Temos também outras bandas mais famosas como Twin Atlantic e Beartooth mas de certeza que não caem no espétro de rockstar como aquelas que outros jogos como Burnout ou Need for Speed nos habituaram ao longo dos anos.

Flatout 4: Total Insanity é um título essencial para a diversão entre amigos ou online. Para quem gosta de jogar a solo, tem muito conteúdo com que se entreter também. Acreditamos que este título venha oferecer um twist diferente no desporto automobilístico e que já estava a faltar nas consolas e computadores desta geração há algum tempo.