27 Out 2018
PS4

Análise – Astro Bot: Rescue Mission

Muito provavelmente, o melhor jogo do Playstation VR.

Claramente a Sony não estava a brincar quando prometeu um ano em grande para o Playstation VR. O periférico que custa tanto como a consola teve uma fase em que ficou a apanhar pó, mas este ano tem sido êxito atrás de êxito. Desde o lindíssimo e fofo Moss até aos shooters táticos como Bravo Team e Firewall: Zero Hour, são muitas as razões para pensar em adquirir o sistema de realidade virtual da Sony.

Astro Bot 1
Um mundo VR extremamente envolvente.

Astro Bot: Rescue Mission passou-me completamente ao lado, mas acabou por se tornar no meu jogo favorito VR. O conceito começa por ser muito parecido ao de Moss: Controlamos um pequeno ser em diversos níveis enquanto observamos a acção de um ponto do mapa. Só que consegue ser ainda melhor.

Trata-se de um jogo de plataformas onde controlamos um pequeno robô. Este robô apenas tem duas habilidades: dar socos e lançar raios dos pés, que para além de conseguir pulverizar inimigos, faz com que consiga manter no ar durante uns segundos. Nós também fazemos parte da acção e estamos estáticos no mapa e só avançamos à medida que o robô avança.

Sentimos que criamos um laço com o pequeno robô.
Sentimos que criamos um laço com o pequeno robô.
Podemos interagir directamente com a acção.
Podemos interagir directamente com a acção.

É uma premissa bastante simples e para quem está de fora, o jogo parece bastante aborrecido, mas só quem está dentro deste mundo a ajudar o pequeno robô é que percebe a magia de Astro Bot. Fui apanhado de surpresa mal entrei no primeiro nível pois senti-e bastante envolvido no jogo, mesmo se tratando de um jogo que não quer retratar nada “real” como outras experiências do género. É um sentimento de satisfação ver o robô a saltar de plataforma em plataforma, derrotar inimigos e salvar os seus companheiros. Ainda por cima como o jogo utiliza os 360º do periférico, é possível rodarmos para ver onde anda o nosso companheiro, estado ele atrás de nós, mais acima ou lá em baixo. Mas nós também participamos na acção. O jogo utiliza todas as funcionalidades do capacete de realidade virtual por isso, conseguimos partir obstáculos com o movimento da nossa cabeça, soprar coisas e utilizar ferramentas em determinadas situações. As ferramentas vão desde bombas de água, ganchos e até mesmo shurikens que temos de apontar com o dualshock e disparar para derrotar inimigos ou simplesmente abrir caminho para o robô.

Astro Bot 4
Os bosses são colossais.

Alguns inimigos detectam a nossa presença e vão tentar atrapalhar-nos, como por exemplo umas plantas que nos atiram uma pasta para os olhos e se não nos conseguirmos desviar com o movimento da cabeça, podemos abanar para que a pasta saia dos “nossos olhos”. Com estas interacções senti que crie um laço com este companheiro virtual. Mas os pontos altos do jogo são certamente as lutas contra bosses que nos obrigam a ter uma certa destreza e na nossa capacidade de colaborar com o robô. Não vou spoilar nenhuma das lutas, mas certamente o primeiro Boss do jogo vai-me ficar na memória durante algum tempo pela genialidade como está concebido.

Astro Bot 5
Existem também níveis subaquáticos.

Um dos problemas que os jogos de VR tendem a ter, é a sua longevidade, mas no caso de Astro Bot: Rescue Mission o caso muda de figura. Finalmente pego num jogo nativo para PS VR que tem uma duração aceitável. São pelo menos 5 horas de jogo para completar todos os níveis, para não falar nos extras. Cada nível esconde um camaleão que aparece se olharmos fixamente para ele e desbloqueia um desafio. Os níveis têm tamanhos razoáveis para um jogo de plataformas e não estão vazios. Para além dos obstáculos e inimigos obrigatórios, existem também imensos robôs espalhados pelos níveis e que precisam de ser salvos e temos ainda moedas para coleccionar, que são usadas para jogar numa daquelas máquinas de prémios com uma garra e que vão desbloquear figuras alusivas ao jogo.

Só quem está com o capacete é que consegue perceber a sua magia.
Só quem está com o capacete é que consegue perceber a sua magia.
Passear na praia, porque não?
Passear na praia, porque não?
Existe uma boa variedade de níveis.
Existe uma boa variedade de níveis.

Para quem está de fora, Astro Bot: Rescue Mission é um simples jogo de plataformas mas acreditem, nenhum vídeo que vejam faz justiça ao jogo. Só quem está lá dentro é que fica maravilhado com aquele que provavelmente, é o melhor jogo para o Playstation VR e que apanhou toda a gente de surpresa.

Astro Bot: Rescue Mission
9 / 10 Pontuação
Resumo
Se não fosse VR era um jogo banal, mas quem coloca o capacete e embarca nesta viagem vai perceber que se trata de uma maravilhosa experiência no mundo dos videojogos.
Rating9
PS4

Análise - Astro Bot: Rescue Mission

Também te pode interessar