19 Mai 2020
3DS

Análise: Super Mario Bros. 3

Recentemente, comprei uma Nintendo 3DS e acabei o Super Mario 3D Land. É um jogo bonito, magnífico, com muitos elementos divertidos e que conduzem a uma boa experiência de jogo: os níveis diversos e breves, os fatos que dão novos poderes ao herói, e todo o aspecto colorido que cria uma disposição de bem-estar geral.

E depois, surgiu-me o Super Mario Bros. 3, na Consola Virtual da 3DS, e foi como se eu estivesse a jogar o antepassado directo do jogo que acabei de jogar. Lembro-me de que quando 3D Land foi anunciado, muito se falou do regresso do “fato Tanooki“, originário em Bros. 3, que dá a Mario a capacidade de flutuar e se transformar numa estátua invencível.

Na verdade, e jogando agora Super Mario Bros. 3 pela primeira vez, vejo que o recente jogo foi buscar muito mais ao seu antepassado: os níveis diversos e breves, os fatos que dão novos poderes ao herói, e todo o aspecto colorido que cria uma disposição de bem-estar geral.

 

Tecnologia e mecânicas de jogo em sintonia

Naturalmente que não podemos comparar os gráficos de SMB3 aos dos jogos 2D actuais, e ainda assim, sente-se que este foi um jogo lançado quando a Nintendo estava a alcançar a mestria em relação às capacidades do seu NES. É colorido quanto baste, os desenhos de personagens são limpos e distintos e a animação é do mais fluído que já vi num jogo da geração 8 bits.

E a animação fluída é crucial porque estamos a falar de um jogo do Mario, e os jogos do Mario são, a um nível básico, fundamentalmente acerca do prazer do movimento. São acerca do controlo da aceleração, inercia e comprimento e direcção dos saltos, ziguezagueando por entre níveis mais e mais complexos.

Não diria que este SMB3 tem dos melhores níveis da série – há muita palha, e os segredos ou são poucos ou estão tão bem escondidos que não incentivam à sua procura. Mas todos os níveis são divertidos naquele nível básico e mesmo os menos bons são, ao menos, curtos.

Interessante também é o mapa, que nos permite encontrar itens em mini-jogos e mini-desafios contra inimigos, e depois usá-los não só para começar níveis com um Mário mais poderoso, como também para desbloquear caminhos alternativos e atalhos no próprio mapa. Mais um elemento que aqui é um bocado básico mas que viria a ser melhorado nos jogos mais amados da série.

 

Benefícios do Hardware

Uma coisa que é importante focar é que a experiência é algo melhorada por se estar a passar na 3DS.

Passo a explicar: este é daqueles jogos que não tem uma função de gravação nativa. É daqueles jogos a que eu, antes, teria que dedicar uma tarde, duas tardes, uma semana de tardes para jogar, perder, recomeçar, e assim em diante, até conhecer todos os níveis de cor e salteado e conseguir terminar de uma assentada. Na minha vida adulta, não consigo encaixar nem justificar este tipo de dedicação.

Felizmente, a Consola Virtual da 3DS incluí uma opção de gravação limitada, que nos deixa ter uma gravação e recomeçar dela as vezes que quisermos. Para uns será batota – mas os puristas não têm que a usar. Para outros, será uma opção que remove uma das grandes barreiras que um fã adulto de video jogos têm em relação a apreciar jogos retro: o tempo limitado.

É uma função do sistema, claro, não do jogo – mas este jogos, SMB3, em particular, beneficia imensamente da sua existência.

 

Conclusão:

Há jogos retro que vale a pena jogar porque ainda são experiências divertidas e interessantes. Outros, vale a pena jogar como um estudo na evolução das nossas séries favoritas e do género de jogo em geral. Super Mario Bros. 3 é ambas as coisas – não só nele vemos espelhado o crescimento que a série viria a ter, como o podemos apreciar por si só, como o excelente jogo de plataformas que é, e o zénite da arte de fazer jogos para o Nintendo Entertainment System.

Ainda assim, não posso negar que tive um especial gosto e ver nele o reflexo de tudo aquilo que gostei no Mario mais recente de que joguei. Esse aspecto, essa verdadeira retrospectiva, levou-me a apreciar muito mais ambos os jogos em conjunto, do que o teria feito em separado – e eles estão separados por 23 anos!

Super Mario Bros. 3 está disponível para várias plataformas Nintendo, mas este artigo foi baseado numa cópia digital para o serviço Consola Virtual da Nintendo 3DS. Esta cópia foi providênciada pela Nintendo Portugal para o autor, que a jogou numa Nintendo 3DS XL.

Related posts