07 Nov 2018
Análises

Análise – Luigi’s Mansion

Um clássico da GameCube renascido na 3DS.

Quem me conhece, sabe que sou fã de Luigi. Provavelmente é o meu personagem favorito da Nintendo e como não tive uma GameCube na altura, este título passou-me ao lado. Agora lançado na 3DS, é a altura ideal para pegar nele, pois também já foi lançada uma sequela para a mesma consola e já foi anunciado o 3º título para a Nintendo Switch.

Nem todos os fantasmas são hostis.
Nem todos os fantasmas são hostis.
Será que Luigi consegue salvar o irmão?
Será que Luigi consegue salvar o irmão?

Luigi ganhou uma mansão num concurso e combinou com Mario que se iriam encontrar lá durante a noite para explorarem o sitio. Mas quando Luigi chega à mansão que parece muito mais sombria do que pensava, repara que Mario desapareceu e acaba por ser atacado por fantasmas. Mas Luigi teve mais sorte que o seu irmão e foi salvo pelo Professor E. Gadd que o ensina a caçar fantasmas.

luigi's mansion 3
Podem chamar um amigo para se juntar “à festa”.

Luigi’s Mansion é o cruzamento perfeito entre Resident Evil e Ghost Busters, onde exploramos uma mansão assombrada, repleta de puzzles e segredos, enquanto aprisionamos fantasmas no nosso Poltergust 3000, um aspirador modificado para esse efeito. O jogo não é assustador, longe disso, é bastante divertido e acessível a qualquer faixa etária. Ao inicio pode ser estranho a forma como conseguimos aprisionar fantasmas, mas com prática torna-se em algo bastante natural. Sempre equipado com uma lanterna, Luigi tem que a apontar na direcção dos fantasmas para que estes com o choque, se materializem e é nesse momento que ligamos o aspirador para fazer o serviço. Cada fantasma tem um contador de “Stamina” no seu coração, e o objectivo é puxar o fantasma na direcção oposta (como se tratasse de um peixe que mordeu a isca) até que esse número baixe até 0.

Os puzzles são bastante divertidos.
Os puzzles são bastante divertidos.
Salvem Mario com a ajuda de um aspirador.
Salvem Mario com a ajuda de um aspirador.

Cada sala tem um segredo que nos dão chaves para abrir portas, fantasmas dos habitantes da mansão e 50 boos para descobrir, que na verdade são os verdadeiros raptores de Mario. Cada antigo habitante da mansão é um fantasma, e cada um deles tem uma forma diferente de capturar que vai desde interagir com determinado objecto, responder a perguntas, utilizar água, fogo ou gelo entre outras tantas formas. E como descobrimos isto? Através do nosso Game Boy Horror, uma cópia de um Game Boy Color que nos permite visualizar e analisar os corações dos fantasmas, dando-nos pistas sobre o que temos de fazer a seguir.

Who you gonna call?
Who you gonna call?
Os habitantes da casa continuam as suas vidas como se nada fosse.
Os habitantes da casa continuam as suas vidas como se nada fosse.

O jogo é bastante fácil e rápido. Sem saber nada sobre ele, terminei em cerca de 5 horas, mas não sinto que tenha sido entediante, antes pelo contrário, foi uma experiência bastante divertida e por vezes muito difícil de fazer largar a consola. Quando terminamos o jogo, desbloqueamos a Hidden Mansion, uma versão mais diferente e mas desafiante da mansão, onde algumas batalhas têm soluções diferentes, as zonas são mais escuras, existem mais fantasmas a vaguear pela mansão e a mesma está invertida.

Nesta versão 3DS existe uma novidade inspirada na sequela: o co-op. Aqui podemos chamar um segundo jogador para controlar Gooigi, um clone feito de ectoplasma do nosso herói e que nos permite exterminar fantasmas em conjunto, mesmo que o segundo jogador não tenha o jogo.

Depois de capturados, os fantasmas vão para dentro de quadros.
Depois de capturados, os fantasmas vão para dentro de quadros.
A mansão é pequena mas oferece imensos desafios.
A mansão é pequena mas oferece imensos desafios.

Os controlos não são maus mas por vezes podem ser frustrantes, principalmente para pessoas que como eu, jogaram numa Nintendo 3DS XL “das antigas”, que não tem o segundo analógico. Não é mau apontar com o giroscópio, mas demora um bom bocado até nos conseguirmos habituar ao controlo. Um ponto que tenho de realçar é o som do jogo que está fantástico. Existem momentos sem música em que Luigi começa a querer cantar para quebrar a tensão e mesmo nos momentos com muito barulho, o jogo consegue criar um ambiente perfeito. Foi o único jogo da consola até à data que me fez jogar com auriculares.

Luigi’s Mansion é uma excelente aventura até nos dias de hoje, mesmo tendo passado 17 anos desde o seu lançamento original. Mais um grande título que funciona perfeitamente numa consola portátil, e que prova mais uma vez que a 3DS ainda tem muito para dar.

Luigi's Mansion
8 / 10 Pontuação
Resumo
Sendo fã do Luigi, é inexplicável como é que deixei esta pérola passar-me ao lado durante 17 anos. É um excelente jogo de exploração, com puzzles bastante acessíveis e dificuldade q.b, adequado para qualquer faixa etária.
Rating8

Também te pode interessar